Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Universidade dos pés descalços

Em Rajasthan, na Índia, Bunker Roy, o fundador do Barefoot College, a "Universidade Pés Descalços", ensina mulheres e homens do meio rural, muitos deles analfabetos, a tornarem-se Engenheiros Solares, Artesãos, Dentistas e Médicos nas suas próprias aldeias. Uma história e um exemplo incrível e maravilhoso, de um homem rico e da mais alta elite na Índia, que contrariando seus pais e a sociedade, escolheu trabalhar com os ''pobres'', os excluídos, e educá-los na ''universidade da vida'', ajudando-os a tornarem-se comunidades auto-suficientes! Religiosos de diversas tradições colaboram na empreitada, que a todos nos interpela e questiona: que Universidade queremos ajudar a construir?!
 
A academia precisa ser reestruturada. Diversos movimentos surgem para mostrar que não são somente as autoridades que podem dar aulas, como o Edupunk. Outro exemplo é uma universidade em que se pode entrar de pés descalços, sem nenhum problema.
 
A Barefoot College (sim, literalmente, universidade dos pés descalços) não está preocupada com diplomas ou formação formal. Não tem hierarquia. Não faz divisões na hora de decidir seu rumo. E não exige que se saiba ler ou escrever para se tornar aluno. O grande objetivo da universidade é juntar a sabedoria tradicional das pessoas às novas tecnologias, como uma forma de educar e melhorar a vida dos cidadãos de uma determinada comunidade.
 
Seu criador Sanjit Buker Roy, acostumado com as mordomias de uma família rica da Índia, se espantou com a pobreza da região de Rhajastão, um dos estados mais pobres do país. Segundo a revista eletrônica IM Magazine, lá o trabalho manual e a agricultura de subsistência não são suficientes nem para a sobrevivência da maioria dos 44 milhões de habitantes.
 
Na Barefoot College, o sistema de educação formal foi substituído por um processo informal, apoiado no conhecimento tradicional dos povos da região e no casamento com as novas tecnologias. Dessa maneira, além de melhorar a qualidade de vida das comunidades, até a auto-estima dos alunos é elevada, dando motivos para que eles não se arrisquem sair de sua cidade para se aventurar a ganhar mais nos grandes municípios.
 
Ali, independente da formação, qualquer um pode aprender sobre informática, energia solar, mecânica hidráulica, biogás, medicina alternativa, ambiente e correio eletrônico. Para se ter uma idéia, o prédio da universidade foi arquitetado por um aldeão local, que ganhou um prêmio na área pela construção. Ele também foi responsável pelo sistema de abastecimento de água potável em seis comunidades vizinhas.
 
Lá, todos têm seu papel e podem contribuir para melhorar ainda mais determinada área de seu povo e da universidade. Quem faz a instalação, fabricação e manutenção do sistema de captação de energia solar, por exemplo, é um grupo de jovens aldeões com apenas o ensino fundamental.
 
Para orientar os trabalhos, a universidade segue 5 princípios:
 
1) igualdade: todos os membros são iguais, indiferentemente do sexo, classe, educação ou casta;
2) coletivismo: todos são envolvidos nos processos de decisão;
3) autonomia: o objetivo é fomentar a interação e o trabalho conjunto no desenvolvimento da comunidade;
4) descentralização: o programa está comprometido em favorecer, indiferente a hierarquias, a capacidade de decisão aos locais;
5) simplicidade: a equipe aposta numa vida simples, empenhada em gerar uma comunidade familiar e um criativo e estimulante ambiente.
 
A Universidade dos Pés Descalços (Barefoot College – http://www.barefootcollege.org/)é a única, no mundo, que não fornece um certificado, não impõe limites de tempo para que seus 125 mil alunos concluam seus cursos, não aceita professores com PHD ou especialização e usa a linguagem corporal como meio de aprendizagem.
 
A idéia inicial era solucionar problemas como a educação das mulheres locais, a insuficiência de água potável, a inexistência de energia elétrica e o alto desemprego rural. Hoje, o trabalho da Universidade consiste em capacitar mulheres de todas as partes do mundo para que elas aprendam um ofício sem que seja necessário alfabetizá-las. Através desse método de trabalho, a Universidade conseguiu capacitar engenheiros e arquitetos que construíram sua instalação física, integralmente abastecida por energia solar.
 
A melhor parte é que essas mulheres se tornam verdadeiros agentes de transformação quando retornam para suas casas e aldeias. Desta forma, o conhecimento se espalha de maneira rápida e eficiente, alcançando um número cada vez maior de pés descalços. E, assim o Bunker se tornou um ativista social, Educador e uma entre as 100 pessoas mais influentes no mundo, de acordo com a Revista Times.
 
Vou encerrar esse Post deixando 2 vídeos da apresentação do Bunker no TED. Ele começa a sua fala dizendo que narrará uma história de amor que dura 45 anos. Os vídeos ao todo têm 19 minutos, é um pouco mais longo do que habitualmente divulgo aqui, mas vale a pena cada segundo dele. Nós temos muito o que aprender com pessoas como esta, que vivem para o amor, que espalham o amor por onde passam e que não tiveram medo de doar sua vida em nome desse nobre sentimento desinteressado. Parabéns ao Bunker e a todas as vovós do projeto e longa vida aos pés descalços!

Fonte:TED,Vibe do amor,Piramidal