Rondonópolis/MT,

Como prevenir bolhas, calos e outros problemas dos pés


Essas pequenas estruturas desempenham uma série de funções importantes para a nossa saúde e o nosso bem-estar. Considerados a base do nosso corpo, são responsáveis pelo nosso equilíbrio e por permitir que nos movimentemos adequadamente, dando-nos a sensação de liberdade e independência. Os pés nos conectam com a terra, dão estabilidade, por isso, costumamos dizer "pés no chão" quando nos referimos a ter mais responsabilidade sobre determinado assunto.

Eles também repercutem todas as sensações e terminações nervosas, refletindo nosso estado geral. Não à toa algumas terapias os contemplam tanto, como a Reflexologia e a Acupuntura, considerando-os como o "mapa do corpo". Por estes e outros tantos motivos, eles merecem toda a atenção e cuidados. No entanto, nós mulheres, temos o costume de maltratá-los ainda mais, aprisionando-os em sapatos inadequados- mas muito estilosos - submetendo-os a muitas horas sob pressão, sem recompensá-los ao final de um extenuante dia de muito trabalho (para você e para eles!).

O resultado você já conhece: dor, calosidades, fissuras, pele ressecada - só para mencionar alguns. Por isso, consultamos especialistas para mostrar a você os problemas da falta de cuidados, e as recomendações para que seus pés voltem a ser belos e saudáveis.

Para fazer em casa

Ana Flores, gerente do Amanary Spa (SP), recomenda um tratamento à base de Aromaterapia, que utiliza óleos essenciais para tratar o corpo, o espírito e a mente, além de cuidar dos pés cansados. Você vai precisar de:

- 5 gotas de óleo essencial de Lavanda (sedativo analgésico, que melhora digestão, e reduz inflamações e estresse).
- 4 gotas de óleo essencial de Palmarosa (estimulante, antiséptico, tônico e antidepressivo).
- 4 gotas de óleo essencial de Limão (antibactericida e sedativo).
- 3 gotas de óleo essencial de Patchouli (revigorante, desinfetante,cicatrizante da pele e estimulante cerebral).
Para aliviar o cansaço nos pés, dilua os óleos essenciais acima em aproximadamente 20 ml de óleo vegetal (que pode ser de semente de uva, abacate, jojoba ou gergelim,) e massageie os pés por aproximadamente 10 minutos cada, com movimentos ascendentes até a panturrilha.

Você sabia?

-81% das mulheres declaram ter problemas nos pés;
- Os pés têm 2% a menos de glândulas sebáceas produtoras de lipídeos do que o rosto. Por este motivo estão predispostos a ficarem ressecados;
- 9 em 10 mulheres usam sapatos muito apertados - origem de muitos problemas nos pés;
- As mulheres sofrem 4 vezes mais com problemas nos pés do que os homens. Os saltos, que concentram a pressão suportada pelos pés, são os grandes vilões;
- Durante a caminhada, a temperatura no interior dos calçados pode aumentar em vários graus.

Bem-Estar aos seus pés
A Reflexologia - a arte de massagear pontos nos pés para avaliar a tensão e tratar doenças: é uma técnica específica de pressão que atua em pontos reflexos nos pés, que correspondem a todas as partes do corpo. 

Além de ter um efeito profundo na saúde e no bem-estar, reequilibrando, purificando e renovando o sistema de energia interna através da Reflexologia, podem ser detectadas precocemente algumas doenças, auxiliando na prevenção e tratamento das mesmas.

A terapeuta Sandra Wajman Gruner, da Terapia do Toque (SP), explica que os pés são o mapa do nosso corpo, e refletem muitos problemas que possam estar acontecendo em outras áreas do corpo, como ores musculares, dor no nervo ciático, TPM, dores de cabeça, intestino preso, problemas respiratórios e cardiovasculares, entre outros. Para potencializar o efeito da terapia, que deve ser utilizada como complementar ao tratamento convencional, a terapeuta associou ao uso de outra técnica, a Cromoterapia. "A cor é fundamental em qualquer sistema de cura, e o emprego das diferentes cores possibilita manipular a frequência de energia, promovendo saúde, bem-estar e harmonia", assegura.

Sem contra-indicações, uma sessão de cerca de uma hora de duração ainda relaxa e renova a energia

Zona frágil

Para cumprir suas funções e oferecer mobilidade e sustentação ao corpo sem causar dor, todas as estruturas internas dos pés (seus 20 músculos, 26 ossos e 114 ligamentos), devem estar em equilíbrio. No entanto, os esforços que impomos diariamente aos pés, como passar horas em pé e utilizar sapatos desconfortáveis, deixa-os sujeitos a uma série de problemas. Ana Luiza Oliveira, infectologista e gerente médica da Schering-Plough Consumer Health Care, listou alguns. Vejam quais são:

Dor na região plantar

Essa região é responsável por receber e distribuir o peso do corpo. Quando há um desequilíbrio, surge a dor, também chamada de metatarsalgia. Ela pode ser causada por vários fatores, desde o uso de sapatos inadequados até doenças, como artrite e diabetes. Como os pés suportam o peso do corpo na realização de todas as atividades, ações diárias podem ser comprometidas.
TRATAMENTO E PREVENÇÃO: o tratamento depende da causa, mas algumas intervenções podem aliviar o desconforto, como o uso de palmilhas que ajudam a absorver e distribuir o impacto por todo o pé.

Calos

Resposta do organismo para proteger a pele e as estruturas abaixo dela das agressões. Por isso, é comum que se formem em regiões sobre protuberâncias ósseas, como nos dedos, nas solas dos pés, e nos calcanhares ou abaixo da cabeça dos ossos metatársicos: regiões que mais sofrem pressão e atrito durante o dia.
PREVENÇÃO E TRATAMENTO: pare de usar o calçado que gera o problema. Outros cuidados são: usar sapatos e palmilhas confortáveis; diminuir o uso de sapatos de salto alto; usar protetores que reduzem a pressão ou atrito nas áreas comprometidas; e aplicar hidratantes nas áreas com calos (e em todo o pé, com exceção da área entre os dedos).

Odor

Transpiração em excesso pode gerar situações desagradáveis. Os pés, úmidos pelo suor, tornam-se um ambiente propício para proliferação bacteriana, responsável pelo odor desagradável. Outras situações, como ansiedade e problemas de pele, também podem contribuir para o aumento do odor.
PREVENÇÃO E TRATAMENTO: mantenha os pés secos e limpos. Lave-os com sabonete antibacteriano e aplique talco. Troque as meias regularmente. Utilize palmilhas laváveis. Prefi ra calçados abertos (sandálias) durante o verão. Lave e desinfete os sapatos com odor.

Inchaço dos pés

Retenção de líquido no espaço entre as células, que causa inchaço na região comprometida. Tende a piorar ao longo do dia. Casos mais graves podem causar úlceras na pele. Os locais mais comprometidos são os pés, tornozelos e as pernas. São várias as causas, entre elas: consumo de sal e carboidratos em excesso, uso de laxantes, gravidez e TPM, retenção de sódio, alterações neurológicas, varizes, trauma e uso de medicamentos (como hormônios e antidepressivos).
PREVENÇÃO E TRATAMENTO: eleve as pernas para facilitar a drenagem. Aumente as atividades musculares das pernas caminhando; evite permanecer muito tempo na mesma posição; evite sentar com os pés pendentes; não abuse de diuréticos ou laxantes; e beba bastante líquido. Caso o edema persista, procure um médico.

Ressecamento e fissuras

Os atritos removem a camada de hidratação natural do corpo, deixando a pele seca e áspera com tendência a fissura, que podem ser doloridas e sangrar eventualmente, dando origem a infecções. Temperaturas frias e baixa umidade, além de banhos demorados e quentes podem agravar o problema. Envelhecimento, uso de calçados impróprios, diabetes e psoríase são outros fatores.
TRATAMENTO E PREVENÇÃO: mantenha a hidratação adequada, ingerindo líquidos e utilizando cremes hidratantes. Seque bem os pés após o banho para evitar que a umidade, sobretudo entre os dedos, favoreça o desenvolvimento de fungos e bactérias. Esfolie os pés a cada 15 dias para eliminar células mortas. Utilize palmilhas e protetores para diminuir o atrito, e use sapatos confortáveis.

Unhas encravadas

Ocorre quando a unha cresce lateralmente, em direção as dobras do dedo, causando dor e inflamação. A maioria dos casos está associada à pressão excessiva aplicada sobre as unhas. Outros fatores são: cortar o canto da unha de forma errada; anormalidades anatômicas; hiperidrose; usar calçados apertados ou meias sintéticas que comprimem os dedos. O quadro de dor pode se tornar insuportável. À medida que a unha penetra na pele, inflama, incha e fica avermelhada. Pode haver eliminação de pus e formação de um granuloma piogênico (conhecido como carne esponjosa). Outros sintomas: crescimento incorreto da unha, dor ao aparar a lateral da unha e ao usar meias e sapatos.
PREVENÇÃO E TRATAMENTO: mantenha as unhas curtas (não maior que a ponta dos dedos). Procure cortálas seguindo suas linhas naturais, nunca corte os cantos. Cuidado para não penetrar na pele do dedo ao cortar as unhas. Evite usar calçados apertados. O tratamento varia de acordo com a intensidade do caso. Normalmente, a extração da unha não é indicada, pois ela pode encravar novamente quando voltar a crescer

Atrito e bolhas

O contato dos pés com a superfície interna dos sapatos pode ocasionar lesões que provocam o descolamento da pele afetada e a formação de bolhas com conteúdo líquido. Outras possíveis causas são: contato com substâncias irritantes ou que causam alergia, queimaduras de sol e picada de insetos.
TRATAMENTO E PREVENÇÃO: uma vez instaladas as bolhas, deve-se limpar o local, evitando remover a pele sobre a área lesada, e fazer um curativo. Previna usando sapatos flexíveis e frouxos. Usar meias de algodão e talco ajuda a evitar a umidade nos pés. Palmilhas diminuem o atrito.

Joanete

Atinge cerca de 1/3 da população. Não é o crescimento exagerado do osso, mas o desvio e a rotação dos ossos do dedão em direção ao segundo dedo que produz a saliência na lateral do hálux (o maior dedo do pé).
Além da predisposição genética, outros fatores envolvidos no seu surgimento são: o estilo de vida e o uso de sapatos inadequados, como os de bico fino.
PREVENÇÃO E TRATAMENTO: evite usar sapatos de bico fino e faça a ginástica dos pés, com movimentos de flexão e extensão dos dedos. Protetores auxiliam no controle da dor, reduzindo o atrito e a pressão na região. Casos mais graves podem necessitar de correção cirúrgica. 

Dor no calcâneo e esporão. 

A dor na região do calcanhar é frequente, com ou sem esporão.
No entanto, pode comprometer até atividades mais simples, como caminhar. O principal sintoma é a dor, que costuma ser pior pela manhã (ao colocar o pé no chão, dificultando os primeiros passos), melhorando ao longo do dia e piorando à noite. A dor também pode surgir ao realizar exercícios sem aquecimento prévio, e ao iniciar o movimento depois de um período de descanso.
TRATAMENTO E PREVENÇÃO: diminua as atividades que produzam estresse sobre o calcanhar. Use palmilhas para proteger a região. Aplicações de gelo na região ajudam a reduzir a inflamação e a tensão. Alongue a musculatura dos pés. Caso os sintomas persistam, busque orientação médica.

Fonte: Guia-me