Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Ajude seu filho a entender a morte de um animal de estimação


Psicóloga dá dicas sobre como conversar com as crianças a respeito da perda de um bichinho
Independente do tipo de animal de estimação, lidar com a morte dele não é uma tarefa fácil para ninguém. Ainda mais quando o animalzinho é considerado parte integrante da família. Para as crianças, essa perda pode ser ainda mais difícil e, em alguns casos, bastante traumática.
Mas como ajudar o seu filho a lidar com a perda? A psicóloga Eliana Vieni diz que “é preciso conversar com os pequenos sobre tudo. Claro, de uma maneira mais suave e respondendo qualquer tipo de dúvida que eles tiverem. Muitas vezes, a morte de um animal de estimação é a primeira grande perda e precisa ser levada com atenção e muito carinho”.

Diga sempre a verdade
Não adianta em nada dizer que o animal não vai voltar mais ou usar qualquer tipo de comparação com as crianças. Elas apenas ficarão mais nervosas e confusas. “Dizer que ele foi embora ou escapou não é a melhor forma. Diga sempre a verdade, independente de qual for. A criança precisa saber que ele estava velhinho demais ou que morreu de alguma doença ou acidente”, comenta a psicóloga.
Para isso, fale com voz suave e dê o apoio necessário ao pequeno. “Fale com calma e explique que ele estava sofrendo. Mostre que se ele ficasse junto com vocês, ficaria com mais dor e que onde ele está ele vai ser feliz”, diz Eliana.

Respeite a opinião da criança
Eliana sugere “que é preciso deixar que os pequenos chorem o quanto for necessário. Tentar consolá-lo só irá piorar a situação. Chore com ele e explique que essas coisas são naturais e que vocês fizeram tudo o que estava ao alcance para ajudar o animalzinho”.
Mostre que você também está triste e que vão superar essa perda juntos. “Dê muito carinho ao seu filho e deixe claro que você também está chateado. Diga que você está junto com ele sempre que precisar e oriente para que ele pense nos momentos bons em que eles tiveram quando a criança sentir muita saudade do bichinho”, diz a psicóloga.

Saiba quando considerar a opinião das crianças
Deixe com que a criança de despeça do bichinho. “Peça para ela fazer um desenho e se ela quiser, deixe dizer adeus ao animalzinho. Essa atitude confortará o seu filho”, comenta a psicóloga.
Evite adotar ou comprar em seguida outro animal. “A criança tem que entender que nenhum animal é substituível e que no momento certo, ela terá outro bichinho”, orienta Eliana.
Mas qual é o momento ideal para ela ter outro bichinho? “Após uns 6 meses da morte, pergunte à ela se gostaria de ter outro amiguinho. Depois de um certo tempo, a criança vai entender que cada animalzinho é um animalzinho e todos farão parte das boas memórias e momentos que passaram juntos”, sugere Eliana.

Fonte: Dicas de Mulher