Rondonópolis/MT,

Atualizações

Documentário conta histórias de maridos traídos por suas mulheres!


Pedro Paulo, o Ramelão, dá voz aos maridos traídos no documentário Cornos. Teve gente que só descobriu que era traído quando assistiu filme pornô e descobriu que a mulher era a estrela!


Este é Pedro Paulo, o Ramelão. Foi ele quem saiu pelas ruas da periferia de São Paulo disposto a ouvir histórias de homens que foram traídos pelas suas mulheres. Estas entrevistas foram reunidas e lançadas em forma de um documentário muito peculiar.
O nome já diz tudo, não? Agora... Quem são os caras que botaram uma mão na cabeça, outra no coração e assumiram o chifre de uma vez por todas em Cornos: O Documentário?
Com Ramelão não tem essas de depoimento anônimo não! Cornos: O Documentário dá — literalmente — nome aos bois!

Este é o Vagner e ele foi o primeiro entrevistado por Ramelão. Logo de saída, o apresentador já chegou de sola e foi direto ao ponto. 
— Vagner, conta pra gente: você foi corno?
Se liga na resposta que o Vagner deu!
— Eu fui corno sim. Infelizmente, mas fui, né?  Eu era casado com a Maria durante três anos e ela foi e me chifrou com o João. Meu melhor amigo. Trabalhava na obra com ele. 
Vagner não se conformou em ter sido traído com o amigo. Chegou até a botar fogo na casa! Pior é que não foi o chifre que ele ganhou. Vagner também saiu da relação com uma infecção para chamar de sua.
— Eu cheguei em casa e vi as condições lá e botei fogo em tudo. Eu xinguei ela. Peguei uma doença venérea daquela pilantra. Tô fazendo tratamento até hoje!
Vágner conta que a treta foi violenta e que o rolo chamou até a atenção da polícia.
É aí que o Ramelão saca a pergunta que todo mundo quer fazer pra um corno: ele nunca desconfiou?
— A gente morava numa vila e eu fiquei meio desconfiado. Chegava em casa do trabalho e ela pá: "vou sair". Chegava em casa e não tinha nada pra mim. Não passava minha roupa, não fazia comida. Tinha deixado a casa de mão. 
Com base no depoimento de Vagner, Ramelão lança o conselho pra galera.
— Então, atenção! É bom pra gente ficar esperto nos indícios. A mulher começou a tratar mal o marido, ela tá botando touca. 
O Vagner contou que já havia virado motivo de chacota antes mesmo de saber dos chifres e, quando passava na rua, as pessoas davam risada da cara dele. Foi então que Ramelão, como apresentador, perguntou se ele não achava que havia descuidado e deixado de dar carinho pra mulher. Às vezes, essa é a causa da traição: falta de amor, de sexo, de carinho. Vágner respondeu que esse não era o problema não e que, a cada três dias, o casal consumava o ato sexual.
Em tom de brincadeira, Ramelão cutucou...
— Nos outros dois dias ela tava com o João, né?
Como entrevistador, Ramelão sabe tirar o máximo de seus entrevistados e, sendo assim, ele quis saber como é que foi que Vágner ficou sabendo da traição. Pesadelo total: o chifrudo testemunhou a parada em pessoa.
— Pior que eu peguei os dois no flagra. Ela tava de quatro e ele metendo o sarrafo nela. Ela gritava "me bate, me bate! Bate na minhacara". Eu dei porrada nele que quase matei. Não sou corno conformado não. Até o momento não sou não!
Vagner sabe que, para o apelido pegar, o primeiro passo é ficar pegando pilha com a provocação do povão.
— As pessoas me chamam de corno na rua, mas eu levo na brincadeira. Tem que levar, né? 
E como é que a história acabou, Vagner?
— Ela mudou pra Minas, foi morar na casa dos pais dela. Agora eu tenho outra mulher e tô feliz com a mulher que eu tenho. A gente tá lado a lado agora. Eu sou fiel. Sou corintiano. Hoje em dia eu tô bem, tô casado com uma pessoa que cuida de mim, que vive o dia a dia comigo, que corre atrás junto comigo e não me maltrata...

A história de traição mais funesta de todas foi a que rolou com o Marcelo. Ramelão foi até o escritório do cara para ouvir o que ele tinha pra dizer. Presta atenção porque você não vai botar fé com a traição que rolou com esse cara!
Marcelo é batalhador. Por toda a vida aprendeu que, para ter o que quer, é preciso trabalhar duro. Casado com uma linda mulher, ele achou que estava blindado contra a traição.
Apesar de tudo isso, quando Ramelão perguntou a ele se ele tinha sido corno, a resposta veio na bucha!
— Eu fui corno sim. Fui traído. Passei por essa situação difícil na vida. Eu fui casado durante cinco anos e a gente teve momentos bons e momentos ruins. O motivo por que ela me traiu foi safadeza dela mesmo. Eu sempre dei tudo do bom e do melhor pra ela. Nunca deixei faltar nada, mas ela era mais interessada em bens materiais.
A traição foi tão feia que afastou os dois para sempre. Mesmo o filho em comum não foi capaz de reaproximar os dois.
— Minha relação com ela hoje é só por causa do meu filho. Eu não converso com ela. Pago a pensão do meu filho todo mês. Ela me traiu com um só, que eu sei, mas tenho certeza que teve mais. Depois de tudo que ela me fez, o que eu sinto é nojo.
NOJO? O que ela fez de tão ruim pro cara pegar NOJO? O próprio Marcelo explica...
— Eu fui numa locadora alugar um filme adulto. Quando eu olhei lá, tinha um que tinha uma capa diferente. Eu olhei e pensei "poxa, essa aqui é muito parecida com a minha mulher". O filme chamava Gêmeas Safadas 3. Na hora que eu bati o olho, eu falei "é ela"!
Peraí, Marcelo! Tem certeza de que era sua mulher no filme pornô?
— Eu tive certeza que era ela porque tinha o título e o nome dela tava escrito embaixo. Eu coloquei o filme em casa, assisti, não acreditei. Era ela, duas mulheres e mais dois caras.
Quando percebeu o tamanho da encrenca, Marcelo perdeu a cabeça.
— Eu comecei a quebrar as coisas dentro de casa. Peguei as roupas dela e joguei pela janela do apartamento. Liguei pros meus parentes e contei tudo que tava acontecendo e, quando ela chegou em casa, eu tinha quebrado todas as coisas dela.
Pra ter certeza, Marcelo ligou pra ela e perguntou a respeito do filme. No começo, ela negou tudo e disse que não era ela.
— Ela disse que não tinha nada a ver, que eu tava doido e que eu tava inventando história. Eu esperei ela voltar pra casa e, quando ela chegou, já viu tudo quebrado. Daí, eu botei ela pra assistir o próprio filme dela.
Como é que se nega uma coisa dessas?
Na hora que a encrenca pegou fogo, Marcelo diz que recebeu conselhos de um oficial de polícia.
— Aí baixou polícia lá e a tia dela contou o que tava acontecendo. Até foi bom porque o policial disse pra mim "olha, ninguém tem sangue de barata. Eu aconselho o senhor a pegar as coisas dela, empacotar e mandar embora. Não encosta a mão nela de jeito nenhum, senão a coisa fica feia pro seu lado"
Na opinião do Marcelo, a pior vingança é que a traição dela está imortalizada. Não dá pra apagar. Se ela queria ficar famosa, conseguiu, mas não foi exatamente como ela queria.
— Eu fui corno e não foi nem aqui em São Paulo não. Foi no Rio de Janeiro. Agora tá em DVD, tá no YouTube. Era uma periguete ordinária. Não precisava fazer isso comigo não. Ela tá famosa, mas a fama que ela tem no bairro não é boa não.
Marcelo admite: ainda tem o DVD em casa e já o assistiu em noites solitárias!
O que mais chateia o Marcelo é que, se ela tivesse pedido pra fazer o filme, ele teria deixado. Desde que ela contracenasse com ele, claro!
— Olha só! Se ela tinha esse sonho de fazer um filme desses, era só falar. Eu contratava um pessoal de filmagem e fazia eu mesmo o filme com ela. Não precisava se vender por R$ 30 mil!
Na opinião do Marcelo, o mundo dá voltas.
— Se ela achou que ia me atingir com isso, ela achou errado. Hoje eu sou estruturado, sou casado com uma mulher que me respeita e ela ficou difamada. Aqui no bairro, todo mundo sabe o que ela fez. Ela pode até arrumar um marido, mas quando ela passa na rua, todo mundo diz "tá vendo aquela ali, deixa eu te mostrar no YouTube o que foi que ela fez"
Quando Ramelão perguntou se Marcelo tinha algum recado que gostaria de dar para a traidora, Marcelo fez uma revelação!
— Tem mais uma coisa que eu queria te falar! Não foi só você que traiu não. Eu também traí. Você não sabe disso aí, mas eu vou te falar. Na hora que você foi ter o nenê lá, foi ter o nosso filho, eu te traí com a alagoana. Foi bom pra caramba! 
A vingança tardou, mas cutucou bonito!
— Você também foi chifruda, viu, fia?

O documentário fecha com chave de ouro contando a história de Miguel...
Você não bota fé com quem foi que a mulher de Miguel traiu o cara!
Só que pra saber, você vai ter que assistir o filme Cornos: O Documentário! A gente não vai acabar com a graça do Ramelão, né? Visite o site do cara e compra o documentário em DVD: www.ramelao.com.br

Fonte:R7 notícias
Fotos: Divulgação

Nenhum comentário :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...