Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Veja quais são os 5 itens mais sujos de uma cozinha e como limpá-los


Cuidar da limpeza da cozinha é essencial, pois muitos microrganismos maléficos a saúde podem se espalhar por ela e acabarem sendo conduzidos ao nosso sistema digestivo por conta dos alimentos que preparamos neste ambiente. Mesmo uma cozinha com uma aparência impecável pode estar repleta de bactérias e germes, muitas vezes em lugares que não se imagina, por isso a higienização deve ir além dos cuidados com a sujeira que pode ser vista a olho nu – sendo feita a desinfecção de itens e não simplesmente uma limpeza superficial, pois esta pode estar mascarando o problema e muitas vezes intensificando-o ao promover sua dispersão para outras partes.

Especialistas dizem que com um pouco de conhecimento e preparação, qualquer pessoa pode manter a cozinha e seu conteúdo livre de bactérias. Veja quais são os cinco elementos mais sujos da cozinha e saiba como manter a adequada higiene para se livrar de doenças.

1 – Os puxadores da porta da geladeira e de gavetas
Os micróbios que vivem no frango, porco e carne quase sempre podem ser encontrados nos puxadores, de acordo com estudos do Dr. Eric E. Schadt, chefe do departamento de genética no e ciências genômicas Mount Sinai School of Medicine, e diretor científico no Pacific Biosciences.

Isabella Peixoto, nutricionista de produção e qualidade, confirma a informação: “Muitas pessoas contaminam o tempo todo a cozinha de casa e não percebem. Por exemplo, se alguém está limpando uma carne e sem lavar as mãos vai a uma gaveta em busca de um utensílio, passa os germes desta para o puxador da gaveta e para tudo que está dentro dela. É o que o chamamos de contaminação cruzada.”.
Para quem anda cometendo este erro a indicação é higienizar tudo com água e sabão e passar a prevenir este problema lavando as mãos constantemente. A nutricionista ainda explica que para lavar as mãos sem recontaminá-la, deve-se utilizar água e sabão por pelo ou menos 15 segundos e fechar a torneira com uma folha de papel toalha ou com o cotovelo.

“Esta informação que é ensinada a infectologistas e diversos profissionais da área de saúde deveria ser mais difundida para a população. A lavagem das mãos correta é importante para todos, não só para quem trabalha com saúde ou indústria e serviços alimentícios. Recomendo que todos adotem a maneira correta e divulguem, pois é uma maneira de garantir uma alimentação saudável e livre de riscos.”

2 – A torneira e sua água
A água limpa é essencial na preparação de alimentos, mas é preciso garantir a limpeza desta água higienizando a torneira por onde ela sai e adotando um sistema de purificação para quando for usá-la com a comida.

“O tratamento de água provido pelo governo é o mínimo. A água da torneira pura deve ser evitada de ter uso para lavagem de alimentos e principalmente para cozimento – já que a comida ao cozer irá absorver esta água; por isso deve-se ter um filtro na pia.”, explica a nutricionista Isabella Peixoto.

3 – Os panos de prato
Os panos de prato, ao contrário do que se pensa, não estão livres de germes. Mesmo apenas secando mãos recém-lavadas e louças, o fato de ficarem constantemente úmidas favorece o abrigo de micróbios.
“O certo é trocar os panos de prato todos os dias. Tenha, no mínimo, um para cada dia da semana e lave-os com água sanitária.”, indica Dra. Isabella.

4 – O ralo da pia
O ralo da pia, como caminho para o esgoto, é obviamente imundo, mas seu baixo alcance não é garantia de estar longe de patógenos. Larvas e microrganismos que se multiplicam no calor e umidade deste ambiente e se alimentam de restos orgânicos lá presentes podem subir para a cuba da pia e contaminar tudo.

Por isso é preciso higienizar o local que o National Science Foundation, considerou como segundo lugar em acúmulo de germes. O próprio órgão governamental americano dá a solução: uma ou duas vezes por semana um desinfetante forte na pia e uma vez por mês uma colher de água sanitária misturado em 250 mililitros de água.

5 – As esponjas
As esponjas não só absorvem água, elas acumulam nos recônditos de suas fibras milhares de germes, por isso devem ser trocadas ou higienizadas constantemente. Segundo o National Science Foundation, as esponjas estão em primeiro lugar como elemento de acúmulo de germes em uma casa.

“Recomendo que as pessoas tenham três esponjas em cores diferentes, para facilitar a diferenciação, na cozinha: uma para lavar copos e pratos que não estejam engordurados, outra para lavar pratos engordurados e panelas, e outra para lavar a pia. E também que troquem as três em média a cada duas semanas, preferencialmente, ou higienizem-nas, deixando de molho em 250 mililitros de água com uma colher de água sanitária e depois torcendo e levando ao microondas na potencia máxima por um minuto.”, diz Isabella.

O National Science Foundation recomenda a substituição de esponjas por toalhinhas, que são mais fáceis de serem constantemente higienizadas. Um ganho para a natureza, já que as esponjas de cozinha são feitas de materiais nada ecológicos.

Fonte: Dicas de Mulher