Rondonópolis/MT,

As “melhores” teorias da conspiração sobre o Zica vírus que circulam na internet



Illuminati, controle populacional e arma química são apenas algumas (e hilárias) teorias da conspiração envolvendo o Zica vírus. De Copa do Mundo a política, nada escapa das famosas teorias da conspiração na internet. Se antes elas circulavam pelos e-mails, agora as redes sociais - em especial, o WhatsApp - que recebem enxurradas de especulações duvidosas sobre temas polêmicos. O mais novo tema é o Zica vírus, que ganhou destaque internacional após um caso nos Estados Unidos revelar que a doença é transmissível.

A terra do Tio Sam é, sem dúvida alguma, o maior produtor de "mistérios revelados" do mundo, dos alienígenas da Área 51 até o Pé-Grande. Logo, não demorou muito para surgir diversas teorias da conspiração sobre o Zica vírus. Aqui, reunimos as mais criativas (e engraçadas).

Mutação genética proposital
A doença seria resultado de mosquitos geneticamente modificados, liberados na natureza pela empresa de controle de pragas Oxitec. A parte mais interessante de tudo isso é que a companhia, de fato, produz espécies do Aedes Aegypti transgênico. Porém, as espécies de laboratório são estéreis, uma tentativa de controle de natalidade dos insetos que, até agora tem recebido apoio da comunidade científica.

Outro detalhe derruba um pouco a hipótese: a sede da Oxitec é em Campinas, enquanto as áreas mais afetadas pelo Zika são no Rio de Janeiro e no Nordeste. Fica difícil acreditar que alguns portadores teriam "escapado" de um laboratório para atacar a população.

Obra dos Illuminati
Não seria uma série de teorias da conspiração se não tivesse pelo menos uma que citasse a famosa organização das pessoas mais influentes e ricas do mundo que, secretamente, estariam ditando tudo o que acontece no planeta. Um vídeo que está circulando no Facebook, entretanto, revela alguns dados interessantes. O zika vírus já é conhecido desde 1947, teria sido criado por uma divisão secreta de laboratórios da família Rockfeller - uma das mais importantes dos EUA e, supostamente, membro dos Illuminati - e que estaria à venda online.
Antes de fugir da Nova Ordem Mundial, entenda algumas coisas: sim, a doença é conhecida desde a década de 50, mas foi isolada a partir de espécies de macacos. Ela está catalogada na Coleção Americana de Tipos de Culturas - um catálogo de lâminas com agentes patogênicos - desde então, mas ter acesso a isso requer uma série de burocracias de laboratórios e empresas da área da saúde. Acreditar que a epidemia surgiu de uma destas amostras é, no mínimo, absurdo.

A culpa é da Microsoft
Para entender esta teoria, é necessário reparar uma certa ordem cronológica de fatos e se fazer uma pergunta: por que raios as grávidas são as maiores atingidas pelo zika vírus? Em novembro de 2014, o governo brasileiro estabeleceu a Tdap - vacina que combate tétano, difteria e coqueluche - para gestantes. Os primeiros casos da doença começaram a ser reportados na Bahia em fevereiro, enquanto os quadros de microcefalia foram documentados em setembro.

Até aqui, tudo certo. Agora, as coisas começam a ficar estranhas. Você deve saber que Bill Gates e sua esposa, Melinda, possuem uma fundação filantrópica. Porém, outra teoria da conspiração, datada de 2012, afirma que o fundador da Microsoft é um forte defensor do controle populacional e usa vacinas e outras formas de medicação para eliminar o fator de crescimento da população mundial.
Em julho de 2015, eles fizeram uma contribuição de US$ 307 mil para o Programa de Vacinas da Universidade de Vanderbilt estudar o efeito de imunização do medicamento em questão em mulheres grávidas. Coincidência?

Que a verdade seja dita, a Bill & Melinda Gates Foundation investe um bom dinheiro em diversas melhorias populacionais, em especial na África. Os projetos apoiados pela instituição vão de distribuição de medicamentos até desenvolvimentos de técnicas e projetos para melhorar a qualidade de água, educação, entre outros. Difícil pensar no homem mais rico do mundo como um gênio do mal fazendo tudo isso, não?

Fonte: GQ/Globo