Rondonópolis/MT,

Inverno masculino


Parece que a moda masculina não muda nunca, mas, se você lembrar o que usava há cinco anos, vai ver que o visual daquela época não emplaca atualmente nem com boa vóntade.

O homem demora mais, é mais cauteloso, mas também se renova. E em silêncio.

Só para ter ideia, a troca do terno de três botões para o de dois deve levar mais uns cinco anos para ser substituida totalmente, mesmo a modelagem de dois botões tendo sido lançada no início dos anos 2000.

A Prada, por exemplo, que foi uma das primeiras a lançar trajes de dois botões, voltou ao estilo três botões na passarela e nas campanhas publicitárias para garantir o faturamento das lojas.

O sexo forte é fraco na hora de assumir novas propostas de moda.

Este inverno traz mais novidades nas modelagens que nas texturas.

O “shape” atual tanto pode ser super justo ou amplo. E, para abalar no visual, a ousadia é misturar largo ejusto no mesmo look.

Atualizando o visual:

Não adianta comentar que já tem. Precisa provar nas lojas para descobrir os novos volumes e modelagens.

Abuse das sobreposições - Estilos diferentes misturados entre si em sobreposições que misturam moda esportiva e urbana com peças tradicionais como as de alfaiataria.

As silhuetas permanecem justas e “magras”, com a cintura algumas vezes levemente marcada. Péssima notícia para quem está fora de forma.

As calças seguem retas e afuniladas valorizando o corpo.

Os suéteres estão mais curtos em estilo jovial. O decote V profundo das camisetas de verão se estende ao inverno, o cardigã permanece atual.

Os casacos e os paletós mostram-se de corte rigoroso ou desconstruído, mais curto ou 7/8, clássico ou militar, minimalista ou adornado com pele nas golas ou em detalhes (estilo shearling).

A calça esportiva pode ter a barra mais curta - que deixa a mostra o tornozelo e pode inclusive ser dobrada. 

 Xadrez em tudo. Xadrez é o mega trend do inverno com mil possibilidades: lenhador, grunge, punk rock, neo-hippie, madras e tartan. As camisas xadrez já são consideradas um clássico que combina com tudo, mas pense em xadrez para calças, paletós e acessórios. Só não use tudo junto.

Ternos, paletós e jaquetas com ombros largos e cintura estreita dando adeus ao estilo “garoto magrinho”. O novo “shape” lembra paletó de oficial militar.

Calças skinny apertadas em silhueta superjusta. As do inverno são ainda mais justas. Tecidos com elastano permitem o efeito segunda pele.

Gravata borboleta. Marca registrada de homens de estilo, caiu no gosto dos jovens e de tribos como a dos neo-yuppies, preppies e dandis. O verdadeiro laço faz a diferença.

Gravatas xadrez em todas as possibilidades de cores e de padrões. Sempre fininhas.
O denim pinta com lavagens muito escurecidas ou em délavé, com mistura de texturas e estilos. Modelagens de jeans mais largas com estilos que vão do clássico ao étnico competindo com a skinny.

Skinny raw jeans:
novo nome para o dark jeans, azul escuro, O termo “raw”, ou seja, cru, sem lavagens, é mais caro.

Jaqueta de motoqueiro, a Perfecto (virou ícone de estilo depois de usada por Marlon Brando no filme “O Selvagem” de 1953).

Jaqueta de ciclista, a biker jacket (ícone de James Dean, no filme “Juventude Transviada”, de 1955).

Calça de moleton. A calça de jogging, da academia, da corrida agora pode frequentar até a noite, em proposta casual, para ser usada com sapatos esportivos como os docksides.

Cores sóbrias como a dupla P&B,o camelo, o verde militar, vinho, cáqui, cartela de marrom e cinza e tons vibrantes de vermelho, amarelo e azul bic.

Hoodies ou capuz de Robin Hood em peças clássicas, no moletom, nos itens esportivos e roupas com pegada street.

Calças diferenciadas de sarja nos modelos slim e sarouel.

Veludo. Pode misturar com outros tecidos diferentes.

Casacos de origem naval que, no hemisfério Norte, se chama “pea coats” ou “dufle coat” (abotoamento duplo).

Coturnos e work boots para pisar informal e sapatos bicudos para trajes executivos (sem meias).

A eterna gola rulê, se a barba não incomodar.

Paletós com estilo:

Paletó sempre é um bom investimento, especialmente para quem precisa de roupas formais para trabalhar ou em festas onde esta peça é fundamental. Os formatos clássicos são sempre o mesmo, mudando os detalhes e os volumes de acordo com a tendência.

Shape dos paletós:

Estilo Americano(Sack suit):
Casaco longo e amplo desestruturado, prático e confortável com uma só fenda, bolsos aplicados, linha dos ombros reforçada. Ideal para homens corpulentos, atléticos ou os muito altos. Pode ter dois a três botões para abotoar.

Estilo Inglês (Saville Row):

Veste próximo do corpo, cintura marcada, duas fendas nas laterais, linha natural, mas firme nos ombros. O paletó inglês é desenhado para quem usa o clássico como parte de uma unidade, seguindo regras tradicionais. Veste bem qualquer perfil e estatura de homens.

Estilo Italiano ou Continental:
Curva da cintura inexistente, mangas ajustadas, quadris ajustados, ombros retos e sem aberturas. O paletó estilo italiano é para quem gosta de individualidade. Ideal para homens que gostam de novidade.

Estilo Francês:
Pierre Cardin lançou nos anos 1960 paletós e calças aderentes que se transformaram no estilo francês. Veste bem quem está magro ou com as medidas ideais.

Paletó Jaquetão:
Modelagem  transpassada, acinturada, golas pontudas, com botões que abotoam e enfeitam, geralmente em número de seis botões. Favorece homens volumosos ou barrigudos.

Paletó de Abotoamento duplo:

Modelagem  também transpassada, mas um pouco mais solta ao corpo introduzida pelo Duque de Kent. Geralmente é o formato do blazer. Confortável, favorece também a homens magros.

Paletó com colete:
Terno é sempre com colete Traje é sem colete. Volta sempre com as tendências de inverno. Veste quem não tem barriga e o colete deve sempre cobrir o cós das calças.

Fonte: Advogadosmn por Xico Gonçalves