Rondonópolis/MT,

Os censurados, um lado pouco divertido dos desenhos animados


Hoje você vai conhecer a história de alguns desenhos animados que já foram perseguidos ou censurados. Como a gente sabe que você ficou curioso para ver os “proibidões”, separamos neste post alguns desenhos polêmicos para você conhecer.
 “Os Simpsons” – Episódio “Blame It on Lisa”
Estereótipos (reais e inventados) do Brasil não faltam no episódio: filas de conga, multidões de ratos correndo pelas ruas, mulheres peladas na televisão e pessoas jogando futebol em qualquer lugar. Irritou o Rio de Janeiro, que ameaçou processar a FOX.

“Pernalonga – Looney Tunes” – “All This And Rabbit Stew”
Pernalonga teve sua fase racista. Na década de 1940, o coelho fazia piadas com praticamente todas as etnias: imitou negros rastejando e pedindo para não apanhar, tirou sarro de orientais, indígenas e esquimós.

“Canção do Sul”
Ambientado nos Estados Unidos, após a Guerra Civil, o filme A Canção do Sul (1946) foi acusado de racismo. O longa da Disney nunca saiu em DVD nos Estados Unidos. Mas dá para assistir inteiro no YouTube. Olha só:

“Pokémon” -  Episódio “Electric Soldier Porygon”
O episódio foi retirado do ar em todos os países do mundo por motivos de saúde. Alguns poucos segundos de luzes piscando no desenho levaram mais de 700 crianças japonesas ao hospital com acessos de vômito e desmaios. Por isso, CUIDADO:

“South Park” – Episódio “Bloody Mary”
South Park já brincou com quase todos os assuntos “intocáveis”: celebridades pop, morte, política, e quase todas as religiões, da cientologia de Tom Cruise aos mundo islâmico. Não pegou leve nem com a Igreja Católica. Nesse episódio, uma estátua da Virgem Maria menstrua na cara do Papa. O vídeo não está no YouTube, mas dá pra ver todos os episódios no site do South Park (clique aqui)

“Tiny Toon Adventures” – Episódio “One Beer”
Este episódio é banido nos EUA. Por quê? Nele, três personagens ficam bêbados, roubam um carro policial, batem o veículo e morrem. A ideia era ensinar sobre os males do álcool.

No início de sua produção de desenhos animados, a Warner fez alguns curtas que hoje são considerados politicamente incorretos.
Onze desses desenhos foram censurados, ou melhor, simplesmente retirados de circulação em 1968. Assim, desde então deixaram de ser exibidos na televisão. Eles pertencem a duas populares séries de curtas, Merrie Melodies e Looney Tunes, que reúnem personagens famosos como Pernalonga, Patolino e Gaguinho.
Os motivos pelos quais foram banidos são principalmente a presença de estereótipos racistas em histórias com personagens afro-americanos. A abordagem é feita de tal maneira que, para os padrões contemporâneos, passou a ser considerado ofensivo. E a censura ocorreu justamente em um período em que os Estados Unidos passavam por uma luta pelos direitos raciais.

Vejam alguns desses desenhos:













Vários desses curtas foram dirigidos por nomes famosos da animação, como Friz Freleng, mais tarde fundador do estúdio DePatie-Freleng, Tex Avery e Chuck Jones. Alguns também são citados entre os melhores da história, principalmente pela inspiração no jazz. Mas, mesmo assim, foram mantidos longe dos olhos do público. Pelo menos foi isso o que tentaram. Muitos já perderam os direitos autorais e podem ser encontrados na internet.

Recentemente os censurados voltaram a ser notícia nos Estados Unidos com o boato de que a Warner estaria preparando o lançamento deles em dvd. Apesar dos muitos comentários, a distribuidora afirmou oficialmente que não há planos definidos de lançá-los no formato, mas também não foi descartada essa possibilidade.

Ainda que o conteúdo seja de fato ofensivo, a disponibilização desses curtas ao público é uma maneira de mostrar às novas gerações as diferenças do passado, principalmente como uma maneira de evitar que esses erros voltem a ser cometidos. Não podem, então, ser simplesmente esquecidos ou ignorados.

Fonte: Superinteressante, Tvcinemadvd