Rondonópolis/MT,

Os melhores filmes de 2012


Fazer uma lista com os melhores filmes de cada ano é uma tarefa difícil. Porque para quem gosta de cinema, e principalmente para quem assistiu a muitos filmes, dói deixar algum de fora.Alguns cinéfilos podem até trapacear um pouquinho e listar mais de 10 filmes, mas o interessante é manter-se num limite. Na hora de confeccionar essa lista procurei ampliar ao máximo o leque de opções, ou seja, além de indicar filmes por variados gêneros (blockbusters, filmes para toda família, filmes subversivos, suspenses), também comentar sobre alguns filmes que não ganham a devida atenção, filmes fora do circuito mainstream.

AQUI VAI A LISTA COM OS MELHORES FILMES DE 2012:

10. O Cavaleiro das Trevas Ressurge
O melhor blockbuster do ano. Christopher Nolan redefiniu para sempre como podem ser vistos os filmes baseados em personagens icônicos de quadrinhos, e lançou tendência. Os filmes “Batman” de Nolan são o mais próximo do realismo que o subgênero pode chegar, e mesmo você gostando ou não do resultado, precisa reconhecer o que foi realizado aqui. Um final amargo para uma trilogia sombria, com excelentes atores do nível de Michael Caine e Morgan Freeman realmente entrando de cabeça, e não apenas brincando de interpretar. Alguns dos jovens atores mais talentosos da atualidade dão as caras em papéis importantes de destaque, como Tom Hardy, Anne Hathway, Joseph Gordon-Levitt e Marion Cotillard.

09. As Aventuras de Pi
Um filme mágico e um dos pontos altos desse fim de ano. “As Aventuras de Pi” mostra que ainda existe originalidade e criatividade na forma de se contar uma história. O diretor Ang Lee se mostra um artista intrépido ainda aceitando grandes desafios em sua carreira. O 3D e os efeitos especiais são um espetáculo a parte. O filme é emocionante do início ao fim, um épico poderoso que nos mostra que o cinema jamais perderá seu lugar para a TV. Essa é uma daquelas obras que precisam ser apreciadas numa grande sala de cinema, para termos a verdadeira dimensão do que foi planejado, e a imersão completa nesse grande marco.

08. A Invenção de Hugo Cabret
Assim como “As Aventuras de Pi”, essa obra dirigida por outro mestre, Martin Scorsese, fluiu bem melhor na magnitude de uma sala de cinema. “Hugo” foi um dos pontos altos do Oscar desse ano, e o primeiro filme para toda a família dirigido por Scorsese. O elenco está afiadíssimo. Essa é além de uma aventura dramática e emocionante por si só, também uma declaração de amor ao cinema, como só um especialista como Scorsese poderia entregar.
“Hugo” é uma carta de homenagem escrita aos primórdios da sétima arte, por seu realizador, um eterno apaixonado.

07. As Vantagens de Ser Invisível
Esse filme também se encaixaria facilmente como uma das surpresas mais agradáveis do ano. O elenco de jovens promissores, Emma Watson, Logan Lerman e Ezra Miller, não necessariamente chama a atenção, mas possuem alguns dos melhores desempenhos do ano. Esse é um filme surpreendente, que acerta em cheio no seu retrado de jovens vivendo nos anos 90. Baseado num livro de sucesso, o filme se torna igualmente satisfatório já que foi adaptado pelo próprio autor da obra literária para o cinema. Comovente, engraçado e romântico, “As Vantagens de Ser Invisível” é uma pequena pérola de 2012.

06. Procura-se Um Amigo para o Fim do Mundo
Igualmente inusitado esse filme sobre o fim do mundo é diferente de tudo o que você já viu. Um filme catástrofe centrado não nos desastres ou em efeitos especiais como esperamos, mas sim no drama pessoal de seus protagonistas. “Procura-se Um Amigo...” apresenta o comediante Steve Carell em mais uma atuação contida representando o homem comum. A ótima inglesinha Keira Knightley (num papel bem diferente em sua carreira) é sua vizinha espevitada. Juntos os dois saem numa jornada pelas estradas americanas, com o fim do mundo anunciado bem atrás deles. O surpreendente aqui é o contraste de algo tão grandioso e desesperador tratado de forma tão minimalista e simples pela diretora, que também escreveu a obra. “Procura-se um Amigo...” satisfaz em todos os quesitos e entrega momentos igualmente cômicos, dramáticos, alucinados, desesperadores e românticos.

05. O Artista
O grande vencedor do Oscar desse ano não poderia faltar na lista. E não somente pelo fato de ter levado para casa o grande prêmio, mas sim por se tratar de uma obra-prima única e nostálgica, que obviamente serve como grande homenagem ao cinema. Assim como “Hugo Cabret”, “O Artista” é uma grande declaração de amor ao cinema, em especial a seus primórdios. E se “Hugo” homenageia um dos criadores da sétima arte como a conhecemos, “O Artista” se declara para a época do cinema mudo, época esquecida onde grandes estrelas reinavam e Hollywood (vide o cinema americano) como conhecemos foi formada. Essa produção francesa é exatamente o que homenageia, sendo o filme do diretor Michel Hazanavicius, mudo e em preto e branco, que fala justamente sobre a morte para tais produções. Extremamente divertido e leve, “O Artista” é um dos filmes mais agradáveis em anos.

04. Millenium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres
David Fincher conseguiu melhorar o já excelente filme sueco baseado no livro do escritor Stieg Larsson. Com mais tempo de duração (aqui são quase 3 horas) para desenvolver seus personagens e cada detalhe que os cercam, o filme de Fincher é igualmente assustador, frio, perturbador e explícito. A jovem Rooney Mara brilha numa transformação digna de sua indicação ao Oscar. “Millenium” é um digno descendente de grandes obras-primas do suspense como “O Silêncio dos Inocentes”.

03. Drive
Essa é uma pequena mas impressionante obra do cinema, comandada pelo dinamarquês Nicholas Winding Refn, que chamou muita atenção onde foi exibida. O filme faz grande homenagem ao cinema violento e subversivo que nasceu em Hollywood na década de 70. Ao mesmo tempo “Drive” se torna homenagem ao estilo estético de obras da década de 80 (sua trilha sonora com músicas que fazem uso de sintetizadores e que precisam estar nos Ipods de todos), e créditos de abertura em tom rosa choque. O talentoso Ryan Gosling (em talvez seu melhor papel, sem dúvidas o mais icônico), evoca Travis Brickle, personagem do grande Robert De Niro no cultuado “Taxi Driver”, um sujeito que estava no limite da sanidade. Albert Brooks e Carey Mullingan possuem desempenhos fantásticos. “Drive” é um Cult instantâneo.

02. Holy Motors
Muita gente não conhece essa obra do francês Leos Carax, mas imagine o filme mais surreal que você puder, talvez você consiga chegar perto do que é verdadeiramente “Holy Motors”. A produção é uma aula de narrativa do cinema, onde aprendemos que não existem limites para a mente humana. Mas não pense que “Holy Motors” é apenas um filme louco que não faz sentido algum, muito pelo contrário, ele faz todo o sentido dentro de seu próprio universo. Um ator interpretando diversos personagens dentro da vida real, onde as cenas vão mudando conforme o seu dia vai passando e ele vai se transformando em outras pessoas. Não existem limitações aqui, nem mesmo a morte. O protagonista Denis Lavant deveria receber muitos prêmios por seu grande tour de force, afinal realidade se mescla com fantasia quando seu personagem é pedido para desempenhar exaustivamente tantos personagens. A única diferença entre “Holy Motors” e o mundo real é a existência e limitações do tempo.

01. Indomável Sonhadora
Desde que assisti de forma despretensiosa no Festival do Rio essa pequena obra-prima tinha para mim que ela era o melhor filme de 2012. Alguns meses depois e nada do que vi conseguiu tirar essa história marcante sobre uma menininha encantadora, conhecida como Hushpuppy (papel da ótima Quvenzhané Wallis), da primeira colocação. O mais legal do cinema é justamente apresentar realidades e situações das quais não estamos familiarizados. Aqui, toda uma comunidade pobre de moradores dos pântanos da Louisiana, no sul dos EUA, nos é apresentada, mas poderia muito bem se passar em outro mundo, tamanho é o surrealismo dessa realidade. O que o diretor novato Behn Zeitlin, e a roteirista Lucy Alibar (que também escreveu a peça no qual é baseado) apresentam é o choque entre duas realidades, entre o rural versus o urbano, nesse filme poético, mágico e encantador.

Menções Honrosas:

• Os Descendentes (a melhor atuação de George Clooney).
• O Homem que Mudou o Jogo (forte desempenho de Brad Pitt, num dos melhores filmes sobre esporte dos últimos tempos).
• Precisamos Fala Sobre o Kevin (drama de arte poderoso, com uma Tilda Swinton que merecia o Oscar).
• O Espião que Sabia Demais (um dos melhores filmes de espionagem de todos os tempos, Gary Oldman nunca esteve melhor).
• Deus da Carnificina (o mestre Roman Polanski, um de meus favoritos, em grande forma).
• Jovens Adultos (tour de force da ótima Charlize Theron, ao lado dos grandes Jason Reitman e Diablo Cody).
• Cosmópolis (intragável para o grande público, essa é uma obra complexa de um ícone, Cronenberg).
• Argo (a maturidade chegou para o cineasta de mão cheia, Ben Affleck).
• Histórias Cruzadas (um filme agradável e emotivo).
• Ted (a melhor comédia suja do ano).
• Os Infratores (cinema escapismo de qualidade).
• O Homem da Máfia (um filme de máfia inusitado, estiloso e verborrágico).

Os Melhores Blockbusters:

• Os Vingadores (sucesso indiscutível).
• Jogos Vorazes (a surpresa do ano, Jennifer Lawrence nasceu para brilhar).
• 007 Operação Skyfall (eficiente homenagem para os 50 anos de um dos maiores ícones do cinema).
• Prometheus (poderia ser muito melhor, mas continua mais satisfatório do que grande parte do vimos em 2012).

As Melhores Animações:

• Frankenweenie (Tim Burton volta às raízes).
• ParaNorman (uma grande homenagem ao gênero do terror).
• As Aventuras de TinTim (Resgata de forma eficiente as aventuras de matinê).

Melhor Filme Brasileiro:

• Gonzaga – de Pai pra Filho (excelente cinebiografia emotiva).

Melhores Filmes Estrangeiros (não americanos):

• Intocáveis (feel good do ano e sucesso absoluto, forte concorrente ao Oscar).
• A Separação (forte obra sobre relacionamentos e princípios).
• Ferrugem e Osso (obra agridoce com a excelente estrela Marion Cotillard numa performance digna de Oscar).
• 13 Assassinos (épico, em todos os sentidos).
• Flores do Oriente (O mestre Zhang Yimou entrega um filme belíssimo).

Melhores Filmes Independentes:

• Shame (Michael Fassbender dá show. Obra impactante e pesada).
• Entre o Amor e a Paixão (o melhor romance dramático do ano).
• Smashed (Mary Elizabeth Winstead se revela uma atriz).
• Killer Joe – Matador de Aluguel (Suspense perturbador e acima da média).
• Nós e Eu (drama cômico honesto e inusitado).
• A Irmã da Sua Irmã (ótimos desempenhos nessa “peça filmada”).
• Verão em Red Hook (Spike Lee ainda questiona e inflama).

Melhores Filmes de Terror:

• Hotel da Morte (The Innkeepers, terror minimalista e supereficiente).
• O Segredo da Cabana (espetáculo operático do terror).

Melhores Surpresas:

• A Negociação (Richard Gere volta ao radar).
• A Escolha Perfeita (divertido, bem humorado e extremamente agradável)
• Ruby Sparks – A Namorada Perfeita (roteiro bem explorado de Zoe Kazan).
• Um Divã para Dois (Sincero filme sobre relacionamentos adultos).
• Amor Impossível (não é uma comédia romântica bobinha como se espera).
• Dredd (o filme de quadrinhos mais hardcore do ano).
• Poder Sem Limites (funciona, e funciona bem).
• As Palavras (ótimo drama sério, com eficientes atuações).

Melhores Filmes Lançados para Vídeo:

• Uma Vida Melhor (Honesto relacionamento entre pai e filho. Ótimo drama emocional).
• A Outra Terra (drama devastador e ficção científica questionadora, escrito por Brit Marling).
• O Abrigo (perturbador filme apocalíptico).
• Um Tira Acima da Lei (drama policial com Woody Harrelson num tour de force).
• Um Negócio Nada Seguro (Hilária comédia independente e minimalista).
• O Grande Ano (agradável filme para as férias de natal).
• Os Brutamontes (comédia eficiente e violenta sobre hóquei).
• Footloose (grande fonte de energia, digno do original).

Melhores Filmes Feitos para a Tv:

• Hemingway & Gellhorn (épico protagonizado por grandes astros).
• Virada no Jogo (drama político com Julianne Moore, Woody Harrelson e Ed Harris, precisa dizer mais?)
Amanhã,não deixe de ler, os piores filmes de 2012.

Fonte: Cine Pop