Rondonópolis/MT,

Animais podem ver espíritos?

Certa vez fiquei acordado até o princípio da madrugada lendo alguns artigos na Internet. Tinha um papagaio que dormia num poleiro que ficava no alto de uma das paredes da copa. Quando fui me deitar, depois de alguns minutos, ouço o bater de asas do bicho e logo imaginei que ele tivesse pulado lá de cima, sem entender a razão. Ao chegar na copa encontro o meu papagaio bastante assustado, como se tivesse visto algum estranho ou alguma outra coisa ameaçadora, mas na verdade não havia nada, pelo menos nada visível para mim. Coloquei-o de volta no poleiro e ele ficou lá com o pescoço esticado olhando amedrontado fixamente em uma direção, sendo que, nessa direção não havia nada, só alguma mobília da casa. O que é mais intrigante é que este tipo de situação é bastante comum entre animais domésticos. Quem já não presenciou um cachorro que fica latindo em direção a uma parede, como se estivesse querendo espantar algo, ou um gato que observa fixamente o nada? Geralmente quem tem bichos de estimação já viu algo parecido, mas afinal de contas, o que esses animais veem que não vemos?

(Fonte: new.taringa)

Para a parapsicologia os animais podem possuir habilidades paranormais, de acordo com testes parapsicológicos já realizados em laboratório. Logo, se você já teve visões, sensações fora do corpo ou coisas do tipo, seus animais de estimação também podem ter. Segundo o neurologista Kevin Nelson, especialista em análises dos processos de sensação espiritual nos animais, é razoável imaginar que os animais também sejam capazes de ter experiências espirituais, pois tais experiências têm origem nas áreas mais primitivas do cérebro humano, logo animais com estruturas cerebrais semelhantes poderiam compartilhar das mesmas experiências. Ele ainda afirma que animais como primatas, cavalos, gatos e cachorros possuem tal semelhança com nossa estrutura cerebral primitiva.

Aos gatos eram atribuídas diversas habilidades espirituais (Fonte: professorajesmary)

Vez ou outra vemos num noticiário uma manchete sobre um bicho de estimação que prevê algum desastre iminente como um terremoto, salvando posteriormente o dono de tal evento. Essa ‘intuição’ é muito comum, principalmente em gatos. Estes, particularmente, possuem bastantes associações ao espiritismo como, por exemplo, a habilidade de vislumbrar outros mundos. No antigo Egito, além dessa característica, acreditava-se que os gatos eram capazes de enxergar espíritos e deuses, entre outras entidades, e era capaz de viajar pelo mundo dos mortos. Em virtude disso, era comum um gato ser sacrificado após o falecimento de um sacerdote, um nobre ou um faraó, pois para o espírito do falecido era mais simples encontrar o caminho do além seguindo o espírito do gato que servia como guia espiritual. Já para as bruxas, os gatos serviam para detectar a presença de espíritos num determinado local. Se o gato passar se comportar de maneira estranha, assustado sem razão, observando algo que você não pode ver, significa que ali há uma presença espiritual.

As bruxas também acreditam que os gatos veem espíritos (Fonte: bruxaria)

Do ponto de vista bíblico existem pouquíssimos relatos a respeito do assunto. Há dois momentos claros onde animais interagem com espíritos: a passagem sobre a jumenta de Balaão, no livro de Números, e a passagem da manada de porcos endemoniados do livro de Mateus. Vamos verificar:

A jumenta de Balaão (Fonte: ebdweb)

Números 22
21 Então levantou-se Balaão pela manhã, albardou a sua jumenta, e partiu com os príncipes de Moabe.
22 A ira de Deus se acendeu, porque ele ia, e o anjo do Senhor pôs-se-lhe no caminho por adversário. Ora, ele ia montado na sua jumenta, tendo consigo os seus dois servos.
23 A jumenta viu o anjo do Senhor parado no caminho, com a sua espada desembainhada na mão e, desviando-se do caminho, meteu-se pelo campo; pelo que Balaão espancou a jumenta para fazê-la tornar ao caminho.
24 Mas o anjo do Senhor pôs-se numa vereda entre as vinhas, havendo uma sebe de um e de outro lado.
25 Vendo, pois, a jumenta o anjo do Senhor, coseu-se com a sebe, e apertou contra a sebe o pé de Balaão; pelo que ele tornou a espancá-la.
26 Então o anjo do Senhor passou mais adiante, e pôs-se num lugar estreito, onde não havia caminho para se desviar nem para a direita nem para a esquerda.
27 E, vendo a jumenta o anjo do Senhor, deitou-se debaixo de Balaão; e a ira de Balaão se acendeu, e ele espancou a jumenta com o bordão.
28 Nisso abriu o Senhor a boca da jumenta, a qual perguntou a Balaão: Que te fiz eu, para que me espancasses estas três vezes?
29 Respondeu Balaão à jumenta: Porque zombaste de mim; oxalá tivesse eu uma espada na mão, pois agora te mataria.
30 Tornou a jumenta a Balaão: Porventura não sou a tua jumenta, em que cavalgaste toda a tua vida até hoje? Porventura tem sido o meu costume fazer assim para contigo? E ele respondeu: Não.
31 Então o Senhor abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do Senhor parado no caminho, e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se com o rosto em terra.
32 Disse-lhe o anjo do senhor: Por que já três vezes espancaste a tua jumenta? Eis que eu te saí como adversário, porquanto o teu caminho é perverso diante de mim;
33 a jumenta, porém, me viu, e já três vezes se desviou de diante de mim; se ela não se tivesse desviado de mim, na verdade que eu te haveria matado, deixando a ela com vida.
34 Respondeu Balaão ao anjo do Senhor: pequei, porque não sabia que estavas parado no caminho para te opores a mim; e agora, se parece mal aos teus olhos, voltarei.
35 Tornou o anjo do Senhor a Balaão: Vai com os mem, ou uma somente a palavra que eu te disser é que falarás. Assim Balaão seguiu com os príncipes de Balaque
Nessa passagem podemos perceber que a jumenta de Balaão, desde o princípio, tinha notado a presença do anjo de Deus no caminho, já Balaão não conseguiu enxergá-lo em nenhuma das 3 aparições e foi necessário que Deus fizesse a jumenta falar para que Balaão entendesse que aquele não era o caminho a ser seguido. Mesmo assim ele ignorou o apelo da jumenta e Deus finalmente fez com que o anjo se apresentasse diante dos olhos de Balaão que já havia espancado o animal por diversas vezes por não compreender porque ele sempre desviava o caminho.

Porcos endemoniados se suicidando (Fonte: ecclesia) 

Mateus 28
28 Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho.
29 E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes de tempo?
30 Ora, andava pastando, não longe deles, uma grande manada de porcos.
31 Então, os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, manda-nos para a manada de porcos.
32 Pois ide, ordenou-lhes Jesus. E eles, saindo, passaram para os porcos; e eis que toda a manada se precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e nas águas pereceram.
33 Fugiram os porqueiros e, chegando à cidade, contaram todas estas coisas e o que acontecera aos endemoninhados.
34 Então, a cidade toda saiu para encontrar-se com Jesus; e, vendo-o, lhe rogaram que se retirasse da terra deles.

Aqui temos o relato da passagem de Jesus Cristo pela cidade de Gadara e o seu encontro com dois homens endemoniados. Ao expulsar os demônios, estes se apossaram de uma manada de porcos que havia nas proximidades e levam todos eles ao suicídio. Mas é bom notar que os demônios pediram antes autorização para poderem se apossar do corpo dos porcos, pois não poderiam fazer isso por vontade própria.

Pelas duas passagens podemos concluir que, biblicamente falando, é possível a interação entre animais e espíritos e que os animais são capazes de enxergar coisas que não enxergamos, apesar da bíblia não colocar o assunto nesses termos. No segundo caso ainda poderíamos dizer que um espírito só poderia interagir com um animal, mediante autorização divina (da mesma forma que um espírito não seria capaz de ser visto por uma pessoa comum, mas apenas por aquelas que carregam consigo alguma habilidade mediúnica). Mas se levássemos esse fator a sério poderíamos então perguntar, porque Deus autorizaria a manifestação de um espírito para um animal? No caso da jumenta de Balaão há uma justificativa clara que é mudar a rota pela qual ele seguia com sua jumenta em tal ocasião. E no contexto de quem tem seu bicho de estimação e ele fica lá se assustado com algo que não vemos, qual seria o propósito então? Não podemos negar a existência de tais entidades, até porque estaríamos também negando relatos do mesmo nas mais diversas culturas, desde os povos mais antigos até as gerações mais avançadas. Entretanto não podemos tomar nada como verdade absoluta, o que é para uns, pode não ser para outros, ou pode simplesmente significar algo diferente, mas do meu ponto de vista os espíritos estão sim, por aí de alguma forma tentando manter comunicação seja com pessoas, seja com animais.

Fonte: Opinião Mijiniana

Foto de capa : Cachorros Especiais