Rondonópolis/MT,

Conheça a cirurgia que aumenta os seios sem silicone

Quer ter seios maiores, mas sem colocar silicone? Uma nova técnica é tendência e vem fazendo sucesso por permitir justamente aumentar as mamas sem implante de prótese. O nome da cirurgia é lipofilling das mamas e consiste na retirada de gordura do corpo da própria paciente para enxertar nos seios.

Como é a cirurgia

São dois processos em um: uma lipoaspiração para retirar a gordura corporal e depois, então, a implantação nos seios. Essa massa retirada da paciente passa por um processo antes da segunda etapa, segundo explica o cirurgião-plástico Vitorio Maddarena Junior. “A gordura é preparada de modo a aumentar a concentração de células-tronco do adulto, que melhoram a qualidade e a vitalidade dos tecidos para onde foram transferidas”, diz o médico.

Gordura abdominal é a preferida das mulheres para ser retirada e implantada nos seios (Créditos: Thinkstock)

Ainda de acordo com o especialista, é possível utilizar gordura excedente de quase qualquer parte do corpo. Contudo, a maioria das mulheres que opta pelo método prefere eliminar a gordura acumulada na região abdominal, nas costas e parte interna das coxas. “Caso a paciente já tenha sido submetida a uma lipoaspiração anterior, preferimos usar gordura de outras partes do corpo para esculpir as mamas”.

Resultados

Após o procedimento ser realizado, pode ser que o corpo absorva essa gordura do enxerto nos primeiros três meses, o que não permitirá o aumento dos seios. Se isso acontecer, o médico deverá refazer o procedimento. Essa segunda cirurgia já não deverá contar com novas absorções do corpo e já será possível atingir o resultado esperado: mamas com mais volume, redesenhadas e mais consistentes e firmes.

Ficam cicatrizes comuns a qualquer cirurgia de aumento de mamas. Elas costumam ter de 2 a 7 milímetros e ficam localizadas, em geral, nos sulcos mamários (região logo abaixo dos seios, próxima ao abdome) e onde for realizada a lipoaspiração.

O pós-operatório tende a ser tranquilo e bastante suportável, sem grandes dificuldades de movimentação. Dependendo da evolução da paciente, é possível retornar às atividades normais, porém moderadas, após 30 dias.

Quem pode fazer

É indicada para mulheres com pouco volume nas mamas ou também para aquelas que precisam passar por uma reconstrução mamária após mastectomia.

Segundo Maddarena Junior, é inexistente a possibilidade de rejeição ao enxerto, já que a gordura é do corpo da própria paciente. Esse é o grande ponto positivo da cirurgia.

Contudo, é preciso sempre procurar por clínicas especializadas e com profissionais capacitados, já que existem os riscos da lipoaspiração, que incluem perfuração gastrointestinal e trombose.

Fonte: Bolsa de mulher