Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Conheça as músicas usadas como método de tortura

Se você costuma dizer que algumas canções soam como tortura para os seus ouvidos, vai se surpreender ao descobrir que (do alto do seu mau humor) pode ter acertado. Por mais incrível que pareça, o uso de músicas como forma de intimidação em interrogatórios é prática recorrente e aplicada para minar a resistência e obrigar a cooperação de prisioneiros. Achou moleza? Pense de novo, colega.

Para a Anistia Internacional, existe uma linha tênue entre o que constitui desconforto e o que constitui tortura – e, como a prática costuma ser acompanhada por um prolongado período de privação do sono e outros métodos de intimidação, para a instituição, ela pode muito bem ser considerada um método de tortura. E a ideia parece ser mesmo essa. “Se você tocar estas músicas [para os prisioneiros] por 24 horas, o cérebro e as funções do corpo começam a falhar, a linha de pensamento fica mais lenta e a força de vontade é quebrada. É nesse momento que entramos para falar com eles”, afirmou à BBC o Sargento Mark Hadsell dos EUA, responsável por operações psicológicas, ao confirmar o uso de músicas da banda Metallica e do programa infantil Vila Sésamo (!) para interrogar prisioneiros no Iraque em 2003.

Conheça as músicas que já foram usadas como métodos de tortura:

Enter Sandman (Metallica)

Para quem curte a clássica canção do Metallica, ouvir a música deve trazer lembranças bem distantes da ideia de uma sala de tortura. Mas, provavelmente, nem os fãs mais fervorosos achariam muito agradável ouvir a faixa por mais de 24 horas seguidas sem conseguir dormir ou colocar fim ao looping infinito. Tai um pesadelo digno do temido Sandman – figura da cultura popular europeia que, em versões mais sinistras do conto, joga areia e coleta os olhos de criancinhas que não vão para a cama na hora certa.

Bodies (Drowning Pool)
A canção, que faz parte da trilha sonora do filme Triplo X (2002), foi apontada como uma das “mais tocadas” da playlist das salas de interrogatório. Nem Vin Diesel aguentaria.

Vila Sésamo (música tema)

Não é só rock pesado que rola nas cabines de interrogatório. A música tema do programa infantil com maior duração da história, Vila Sésamo, exibido desde 1969, é um dos sons escolhidos para “quebrar” prisioneiros. De acordo com documentos liberados com base na lei de liberdade de imprensa dos EUA, as alegres canções estão na lista de músicas usadas nos interrogatórios conduzidos por americanos na prisão da Baía de Guantánamo. E esta não é a única do gênero a ser usada no ambiente hostil, como você vê no item seguinte.

Amo vocês (música de Barney e seus amigos)

(para relembrar a versão em português da música-chiclete, clique aqui)
Se você sempre alimentou uma antipatia não-declarada (ou, talvez, nem tão secreta assim) pelo excessivamente simpático dinossauro roxo Barney, pode aproveitar esta chance para argumentar que seu ódio não é gratuito. Além de ser usada para torturar prisioneiros, a recorrente canção do seriado Barney e seus amigos, “Amo vocês”, é também trilha sonora de treinamentos militares. “No treinamento, eles me forçaram a ouvir a canção por 45 minutos. Nunca mais quero passar por isso novamente”, declarou à BBC um soldado norte-americano. Nas prisões, a coisa fica ainda pior:segundo a CNN, em Guantánamo, a música pode já ter sido usada em looping por 24 horas seguidas.

Killing In The Name (Rage Against the Machine)

Os integrantes da banda Rage Against the Machine, críticos do governo de George W. Bush, não gostaram nada de descobrir que uma de suas canções estava sendo usada como método de tortura na Baía de Guantánamo. Em 2008, ano que marcou o aniversário de 60 anos da adoção pela ONU da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o grupo se juntou a outros artistas cujas obras constavam na “playlist” no movimento Zero dB (“zero decibéis”), que tinha o objetivo de ajudar a por fim à prática de tortura musical.

The Real Slim Shady (Eminem)

Binyam Mohamed, um prisioneiro de Guantánamo e ex-morador de Londres, relatou à Reprieve, organização de direitos humanos que fornece representação legal para os presos na Baía, ter sofrido meses de tortura encabeça por agentes da CIA, enquanto era mantido em uma prisão secreta. “Havia música alta, incluindo Slim Shady e Dr. Dre, durante 20 dias. Ouvi isso sem parar, por dias e mais dias (…). Muitos enlouqueceram. Eu podia ouvir as pessoas batendo suas cabeças contra as paredes e as portas”, afirmou.

My Sweet Lord (George Harrison)

Até um ex-Beatle entrou sem querer na roda. Segundo o Telegraph, durante a ditadura chilena de Augusto Pinochet, canções de George Harrison, a trilha sonora do filme de Stanley Kubrick,Laranja Mecânica (1971), e faixas de Julio Iglesias eram usadas como forma de tortura. “Tocadas intensamente em altos volumes por dias a fio, músicas populares foram usadas para infligir danos psicológicos e físicos”, afirmou a pesquisadora da Universidade de Manchester, Katia Chornik, ao veículo.

Born in the U.S.A. (Bruce Springsteen)
“Então eles colocaram um fuzil na minha mão / Enviaram-me para uma terra estrangeira / Para ir e matar o homem amarelo”

Patriotismo às avessas? Documentos divulgados pelo WikiLeaks relatam que a música de Bruce Springsteen, Born in the U.S.A., também foi usada em altíssimo volume em Guantánamo como forma de intimidação e coação. Apesar do título aparentemente ufanista, a canção está longe de exaltar o american way of life e lida com os efeitos negativos da guerra do Vietnã sobre os próprios estadunidenses.

Veja alguns relatos de militares em 2003 e prisioneiros (em tradução livre):

“Se escutar por 24 horas, seu cérebro e as funções do seu organismo começam a desabar, suas linhas de pensamento ficam lentas e suas vontades desaparecem. É neste momento que nós chegamos e conversamos com eles.”
- Sargento Mark Hadsell

“Isso faz você sentir-se como estivesse enlouquecendo. Fica perdido. E é muito assustador pensar que você pode enlouquecer  por causa de toda esta música, devido ao ruído em alto volume e porque depois de um tempo você não escuta mais as letras, tudo o que pode escutar é uma batida pesada.”
- Prisioneiro Ruhal Ahmed

“Durante 15 dias, Bush ensurdeceu o embaixador [do Vaticano] e Noriega com hard rock. Nossa tortura durou por meses – 20 ou 30 vezes, dia e noite.”
- Nuha al-Radi