Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Profissionais muito estressados

Se trabalho fosse bom se chamaria lazer, mas há quem diga que quando se gosta do que faz, tudo fica mais prazeroso. Nem sempre. Algumas profissões são tão estressantes que, no fim do dia, você parece ter sido atingido por um caminhão.

10. Operador da bolsa de valores
Qualquer mudança mais acentuada na economia mundial sempre desemboca nos operadores das bolsas de valores. Em um mundo que ainda sente os resquícios de uma das piores recessões da história, não é uma sábia decisão enveredar por essa profissão. A busca desenfreada pelo melhor preço no comprar e vender ações deixa o ambiente marcado por gritos e gestos que parecem desesperados.

9. Líder religioso
Não importa se são padres, pastores ou rabinos… Quem decide ser um líder religioso deve ter em mente que isso vai exigir muito mais do que uma simples vocação. Paciência é a palavra de ordem, já que a qualquer hora do dia pode aparecer um fiel desesperado – e sem noção de horário – precisando de um conselho urgente.

8. Controlador de tráfego aéreo
A mínima ordem necessária ao espaço aéreo para evitar que dois aviões se choquem ou para agilizar algum pouso emergência, por exemplo, depende dele. Além de cuidar da localização das aeronave em curso, o controlador de tráfego aéreo precisa acompanhar a rota de cada uma que chega e sai de seu espaço, organizando a vida do passageiro que se desespera quando o seu voo sofre algum atraso.

7. Jornalista
Se no dia seguinte a um belo feriado de descanso você consegue passar em uma banca para comprar o seu jornal do dia ou liga o computador e tem a notícia atualizada em seu site de notícias favorito é porque uma equipe de jornalistas trabalhou sem folga. A corrida pela informação da última hora e a pressão por passar a notícia rápido e sem erros faz deste um dos profissionais mais fadados a morrer de ataque do coração.

6. Socorrista
Quem tem a vida de uma pessoa literalmente em suas mãos precisa ser rápido, preciso e não pode se dar ao luxo de hesitar em momento algum. A pressa e a perfeição têm de estar juntas todo o tempo na rotina de trabalho dos socorristas. Afinal, quando eles são acionados para atender alguém, espera-se que consigam correr contra o relógio para salvar o paciente – e ainda atender os familiares com toda a calma e serenidade do mundo.

5. Motorista
Decidir ser motorista profissional em uma grande cidade é quase uma sentença de morte – no mínimo da paciência. Afinal, transformar o trânsito caótico em seu companheiro mais fiel durante todo o dia é praticamente uma maneira de se autoflagelar, uma vez que você não tem sequer a vã ilusão de que vá conseguir chegar a algum lugar caindo na Avenida Paulista às 18h de uma sexta-feira, por exemplo.

4. Professor
Desde quando a escola passou a ser definida como a segunda casa de um aluno, o professor ganhou a obrigação de fazer parte da educação de seus “segundos filhos” – além de planejar aulas e corrigir provas e trabalhos. Se o salário fosse compatível com as múltiplas funções e os alunos um pouco mais educados e conscientes, talvez o stress da profissão tivesse alguma compensação.

3. Operador de telemarketing
Se existe um profissional treinado na arte da serenidade, ele é um atendente de telemarketing. Ligar nos momentos mais inadequados em nome do seu banco ou da sua operadora de celular é uma das obrigações desse profissional – não, eles não fazem isso porque gostam de incomodar as pessoas. A serenidade entra justamente no momento em que a pessoa do outro lado da linha decide descontar toda a raiva da humanidade nele.

2. Juiz de futebol
Além de estar muito preparado fisicamente, um árbitro precisa ter olhos de águia para acompanhar cada lance do jogo. Tudo isso, porém, não é garantia de sucesso nem valorização na profissão, porque sempre vai ter um torcedor querendo que ele tivesse feito melhor ou diferente. Para esses momentos, o juiz também deveria ter uma mãe postiça – para representar os gritos mais exaltados da torcida.

1. Especialista em T.I.
Quando uma das doenças modernas mais comuns passou a ser o stress causado por um computador que se recusa a trabalhar no ritmo que você precisa, o especialista em T.I. (tecnologia da informação) foi alçado ao cargo de médico para estas emergências. E ai dele se não conseguir deixar tudo funcionando melhor do que antes, sem perder nenhum arquivo e à velocidade da luz. Mesmo assim, não importa o que ele faça para resolver o problema, ele vai se repetir, a culpa vai ser sempre dele, e ele vai ouvir alguém reclamando que precisa disto para ontem.


Fonte: Veja por Davi Correia