Rondonópolis/MT,

Cuidado com filtro solar, ele pode irritar os seus olhos

Estudo aponta que no verão o excesso de filtro solar ao redor dos olhos responde por 46% dos casos conjuntivite tóxica. Óculos com filtro UVA e UVB protegem a visão e a área da pele coberta pelas lentes. A proteção da pele com filtro solar no verão, apesar de necessária, tornou-se mais um fator de risco para a saúde ocular. Isso porque, a evaporação do produto, aplicação em excesso e transpiração favorecem a penetração nos olhos que pode causar conjuntivite tóxica. De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, a conjuntivite, inflamação da conjuntiva, membrana que recobre as pálpebras e a superfície dos olhos, é a doença ocular mais frequente no verão. Resulta de processos alérgicos, contaminação por bactérias, vírus ou substâncias químicas.

Ele diz que os sintomas são coceira, olhos vermelhos, pálpebras inchadas, sensibilidade à luz e lacrimejamento. Um levantamento feito pelo médico aponta que a conjuntivite tóxica, causada pela sensibilidade ao contato com produtos químicos, representa 20% das ocorrências no calor.  "O filtro solar responde por 46% dos casos, bronzeadores por 39% e a maquiagem por 15%", afirma. A conjuntivite tóxica, afirma, apresenta um lacrimejamento aquoso e transparente.  Para prevenir, recomenda evitar o uso excessivo de filtro solar, cremes ou maquiagem, enxugar o suor na área dos olhos com lenços descartáveis e lavar os olhos abundantemente sempre que ocorrer penetração nos olhos. Quando a doença já está instalada a recomendação é interromper o uso do agente causador e, não desaparecendo os sintomas, procurar por um médico especializado antes de aplicar qualquer colírio nos olhos.

Oleosidade pode causar terçol e calázio

Queiroz Neto adverte que filtro solar e cremes devem ter PH neutro para manter a produção das glândulas sebáceas em equilíbrio. Isso porque, explica, o excesso de oleosidade na pele favorece a formação de terçol e calázio. O terçol é uma infecção por bactérias do folículo piloso dos cílios.  Agride a pálpebra formando um pequeno nódulo, vermelho e dolorido que pode desaparecer naturalmente em três dias.  Já o calázio é a inflamação crônica da glândula de Meibômio, responsável pela produção sebácea na região palpebral. Forma um nódulo na pálpebra, muitas vezes persistente durante meses.

O especialista diz que muitos portadores dessas doenças só fazem a primeira consulta médica depois de tentarem receitas caseiras como aplicar limão e até borra de café nos olhos. São erros graves, destaca, porque o limão pode levar à queimadura na córnea e a borra de café a uma inflamação mais grave. Ele diz que a única receita caseira segura é o uso de compressas quentes por um período máximo de três dias. Se o nódulo não desaparecer é importante procurar um especialista para que sejam indicados medicamentos adequados, principalmente porque o calázio reincidente pode estar relacionado a problemas de refração.

CUIDADOS PREVENTIVOS NO VERÃO

No calor crescem os casos de conjuntivite bacteriana e viral que são altamente contagiosas. Queiroz Neto explica que quando a secreção ocular é pastosa e amarelada indica conjuntivite bacteriana, enquanto a viral apresenta uma secreção transparente e viscosa. Ele diz que as principais causas da contaminação por vírus ou bactéria são as aglomerações e água contaminada de piscinas ou praias que facilitam o contágio. Nesta época do ano, comenta, também é recorrente a conjuntivite alérgica em que a secreção é transparente e aquosa.

As principais dicas do médico para proteger os olhos no verão são:
Fonte: LDC Comunicação, Opticanet