Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Dicas para ensinar o bebê a pegar no sono sozinho

Bebês e adultos dormem de modo diferente. Os pequenos parecem se recusar a seguir a ordem natural das coisas, com um sono que vai e vem a toda hora. Aqui, experts revelam como fazer seu filho dormir bem e ter uma noite tranquila. Confira!

Hora de ir para a cama
"Não se pode julgar todos pela mesma medida." O ditado cabe como uma luva quando o assunto é o sono do baixinho. Em outras palavras, cada bebê é diferente. Seu filho pode simplesmente despertar poucas vezes e rapidamente engrenar no sono a noite inteira. Ou, ao contrário, levar um tempo maior para conquistar um sono seguido. "Estudos importantes e com grande número de participantes verificaram que não há um número certo de horas que cada criança precisa dormir em cada faixa etária. Assim como os adultos, algumas necessitam de mais ou menos horas de sono para se recuperar e descansar", esclarece Eduardina Tenenbojm, pediatra especializada em distúrbios do sono em bebês. Algumas regras, no entanto, contribuem, e muito, para a conquista de uma boa noite de sono.

1. Crie uma rotina. Não importa se você vai dar um banho gostoso no seu filho, conversar com ele, colocar uma música ou massageá-lo. A estratégia adotada deve ser sempre a mesma. "Consistência é o mais importante quando se trata de ajudar o bebê a dormir bem. Isso envolve também colocá-lo na cama sempre no mesmo horário", afirma Jodi Mindell. Segundo Eduardina, as crianças são sensíveis às rotinas estabelecidas. "Para elas, isso traz tranquilidade para dormir." O ritual, diz Márcia Pradella, não inclui o período da amamentação. "Deve durar 20 minutos, no máximo, e terminar com um beijinho, que a criança já entende a partir do terceiro mês. É a repetição que faz o pequeno entender que chegou o momento de dormir."

2. "Cama é lugar de dormir", afirma Pessoa. Portanto, o berço não deve ser usado para brincar, ficar de castigo ou comer. Os bebês devem associá-lo apenas à hora do sono.

3. Vista o bebê confortavelmente e cubra as extremidades, que ficam mais frias que o restante do corpo. Mantenha a temperatura do quarto agradável e lembre-se de que ele perde calor mais rápido que os adultos.

4. Evite atividades que excitem a criança perto da hora de dormir, como visitas, brincadeiras, som alto e televisão.

5. A criança deve dormir de barriga para cima. Estudos comprovaram que bebês que dormem assim têm 70% menos riscos de morte súbita, uma das principais causas de óbito entre pequenos com menos de 1 ano. O que ocasiona a morte súbita ainda é um mistério para a medicina, mas sabe-se que ela é mais frequente entre 2 e 4 meses de idade e entre meninos. Outro fator de risco é deixar o bebê aquecido demais, com cobertores ou roupas pesadas.

6. Usar cadeira de balanço, embalar e ficar dando voltas de carrinho não é recomendável. "A criança fica condicionada a receber esse estímulo e, ao acordar no meio da noite, vai querer novamente recebê-lo porque o sono dela foi induzido pelo movimento. Os bebês têm de aprender a achar o sono sozinhos", alerta José Hugo de Lins Pessoa.

7. Chupeta para dormir pode ser uma boa opção para acalmar o bebê e relaxá-lo, afirma Pessoa. "Mas nunca dê a chupeta antes dos 30 dias, pois ela pode conflitar com o aleitamento e, depois, deixar a criança 'preguiçosa' para mamar", diz. Segundo ele, a chupeta deve ser dada apenas quando a criança vai para a cama. "Se ela cair durante a noite, não coloque de volta." Estudos também sugerem que a chupeta tem uma ação protetora contra a síndrome da morte súbita.

8. Não escureça o quarto de dia. "É aconselhável que o bebê seja exposto à claridade do sol entre 10 e 15 horas. Marcar a diferença entre o dia e a noite favorece a consolidação do sono noturno."

9. A chamada cama compartilhada vem ganhando adeptos no Brasil. Os defensores da prática alegam que é mais fácil amamentar o bebê à noite e que o sono é mais tranquilo, mas a maioria dos médicos é contra. "Na cama dos pais, fica difícil “cortar o cordão umbilical” e depois pode ficar complicado convencer a criança a dormir sozinha", afirma Fernandes. Segundo Eduardina, dormir na cama dos pais parece facilitar o sono da criança. "Mas é um sono de má qualidade." Lins Pessoa também ressalta a importância da privacidade dos pais: "A cama compartilhada pode atrapalhar a vida sexual do casal". A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o bebê durma ao lado da cama dos pais, no berço, até o sexto mês de vida, pois até esse momento ele tem dificuldade de se virar sozinho", diz Márcia Pradella. Depois disso, o bebê pode passar para o quarto dele.

10. Aos 4 meses, dê ao seu filho o chamado objeto de transição. Pode ser um bicho de pelúcia, uma fralda ou um travesseiro pequeno. A função desse objeto é trazer conforto, segurança e suavizar o momento de separação dos pais na hora de ir para a cama.

11. Bebês acordam inúmeras vezes durante a noite e podem se retorcer, chorar e fazer barulho. A menos que você tenha certeza de que ele está com fome ou se sentindo desconfortável, não há problema algum em esperar alguns minutos para ver se ele dorme sozinho. Dê a ele a chance de aprender a fazer isso sem a sua ajuda.

12. Não acorde o pequeno para mamar. "Até os 6 meses, ele ainda costuma despertar uma vez à noite para mamar. Depois disso, o melhor é não oferecer nenhum alimento. O bebê não desperta por fome, pois já tem as próprias reservas energéticas, mas, se é amamentado, para de chorar e a família passa a acreditar que era fome", explica Eduardina.

13. Não coloque seu filho na cama logo depois de ele ter mamado. "Ao dormir, a digestão é 'desligada' e ele corre o risco de ter refluxo", orienta Tadeu Fernandes.

Fonte: M de mulher