Rondonópolis/MT,

Sete histórias incríveis do carnaval que você merece conhecer

Afinal, muita coisa rolou até chegarmos ao “Lepo Lepo”. Todo mundo sabe que o Carnaval é a maior festa popular do Brasil e uma das mais conhecidas no mundo inteiro, atraindo turistas dos quatro cantos do planeta, mas as histórias que vou contar nem todos conhecem.

1. Este é o primeiro samba criado no Brasil. Sério, olha essa vibe.



“Pelo Telefone”, composto por Donga e Mauro Almeida, é considerado o primeiro samba gravado no Brasil, em 1916.

2. A Mangueira foi criada depois de muita briga entre blocos rivais. Entre os mais briguentos estava Cartola.


culturabrasil.cmais.com.br

Cartola e outros amigos, como Carlos Cachaça e Seu Saturnino (também quero amigos com estes nomes!), eram os líderes do Bloco dos Arengueiros, a maior reunião de bêbados briguentos dos anos 20 no Rio de Janeiro. Em 1928, cansados de brigar, eles uniram todos os blocos inimigos em um só e fundaram a Estação Primeira de Mangueira.

3. Havia anúncios de lança-perfume na capa do jornal na década de 30!


acervo.estadao.com.br

Antes de alguém descobrir que o lança perfume dava barato ao ser cheirado, o produto era anunciado na capa de jornais importantes, normalmente, como vemosnessa edição do Estadão de fevereiro de 1931. Para que servia o lança perfume nesse tempo? Para espirrar nas canelas das moçoilas, oras.

4. A expressão “Samba do Crioulo Doido” surgiu pela dificuldade de contar taaanta história do Brasil em um samba enredo



Perto do fim dos anos 60, as escolas do samba do Rio de Janeiro eram obrigadas a falar de algum capítulo da história do Brasil em seus enredos. Mas, a ordem de transformar a zueira em algo acadêmico acabava por confundir os sambistas, que se embananavam na hora de apresentar os temas, virando o tal do samba do crioulo doido. Stanislaw Ponte Preta foi quem imortalizou a expressão com a paródia “O Samba do Crioulo Doido”, escrita em 1969. A letra virou um samba famoso na voz do Quarteto em Cy. A seguir, um trecho:

“Foi em Diamantina onde nasceu JK
que a Princesa Leopoldina arresorveu se casá
Mas Chica da Silva tinha outros pretendentes
e obrigou a princesa a se casar com Tiradentes
Lá iá lá iá lá iá… O bode que deu vou te contá
Joaquim José, que também é da Silva Xavié
Queria ser dono do mundo e se elegeu Pedro Segundo
Das estradas de Minas seguiu pra São Paulo
e falou com Anchieta
O vigário dos índios aliou-se a Dom Pedro
e acabou com a falseta”


5. Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer se uniram para projetar o “Sambódromo” do Rio de Janeiro
imgsapp2.correiobraziliense.com.br

Essa dupla com certeza entraria no Awesome People Hanging Out Together. O antropólogo Darcy Ribeiro e o arquiteto Oscar Niemeyer trabalharam juntos na concepção do “Sambódromo”, cujo nome oficial é “Passarela Professor Darcy Ribeiro”. A obra foi um pedido do então governador Leonel Brizola.

6. A meia volta da Mangueira na estreia da apoteose



Em 1984, ano da estreia da Passarela do Samba projetada por Niemeyer, a Mangueira fez algo único: deu meia volta na Sapucaí assim que chegou à Apoteose, seguida pelo público que assistia ao carnaval. Dias depois, veio à explicação para esta decisão. A escola não tinha dinheiro para pagar os empurradores dos carros, que ameaçavam deixá-los no meio da rua. A solução foi fazer um desfile em direção ao ponto inicial, e assim voltar com os carros para o barracão.

7. O Cristo Mendigo encapuzado e briga da Beija Flor com a Igreja Católica



O desfile “Ratos e Urubus, Larguem Minha Fantasia”, da Beija Flor, de 1989, criou polêmica e tornou-se um marco na história do carnaval. A Igreja Católica pediu e a Justiça proibiu Joãosinho Trinta de levar para a avenida um carro que trazia um Cristo mendigo. O carnavalesco desobedeceu a ordem e o Cristo apareceu com um saco preto na cabeça e a frase “Mesmo proibido, olhai por nós”.

Algumas alas da escola eram formadas por gente fantasiada de mendigo - eles chegaram simular uma escalada aos camarotes dos VIPs. Assista o depoimento inflamadíssimo de Joãosinho Trinta no vídeo.

PS: Se isso acontecesse hoje, o Facebook explodiria de tanta análise sócio-econômica amadora, né?