Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Seu vizinho desperdiça água? O problema é seu também

Em 15 minutos, uma mangueira pode desperdiçar quase 280 litros de água, o suficiente para você tomar seis banhos rápidos. Em momentos de crise, é preciso economizar de todos os jeitos: da água que sai da sua torneira à água que seu vizinho utiliza.

A crise de água deixou de ser só papo de quem se diz sustentável e passou a ser um problema da sua torneira e da calçada do vizinho. Ou seja, diminuir o tempo de banho e parar de usar a mangueira, apesar de parecer conselhos manjados, são atitudes obrigatórias nesse momento de crise. O tom soa radical, mas o sistema Cantareira, responsável por parte do abastecimento em São Paulo, passa por uma das piores faltas d’águas da história e chegou a um nível crítico, menos de 10% de sua capacidade total. Mesmo fora do Estado, o consumo de água do brasileiro é imenso -- a Organização das Nações Unidas recomenda que cada pessoa use cerca de 110 litros de água por dia, mas o número no país chega a quase o dobro. Economize já!

1. É hora de você mesmo fiscalizar as contas do condomínio
Não saber o quanto você está gastando é um problema sério em momentos de crise. Se sua conta é dividida entre os vizinhos, peça para que o síndico fixe nos elevadores o gasto de água e sugira formas de economia nas reuniões do prédio. Se mesmo assim as contas não baixarem, chame a companhia de água para descobrir o que está acontecendo. "É importante usar esse momento de crise para estimular a instalação de registros individuais, assim o morador vai pagar exatamente pelo que consumiu e sua economia não se perderá no desperdício do outro", afirma Dalberto Adulis, consultor do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente.

2. Não deixe seu vizinho lavar a calçada com mangueira
Em 15 minutos, uma mangueira ligada pode desperdiçar quase 280 litros de água, o equivalente a seis banhos rápidos. Ou seja, não basta fazer em casa, é preciso ser o chato que fiscaliza o vizinho. Para Dalberto, a água é um bem coletivo e economizá-la deve ser um exercício de todos. Que tal dar a água que sobrou da sua máquina de lavar para ajudar sua vizinha a limpar a calçada? Parece utópico, mas o momento pede por uma conscientização coletiva: só fechar a sua mangueira não é mais suficiente.

3. Diminua o tempo do seu banho em 5 minutos
Segundo Dalberto, se todos os paulistas diminuíssem em 5 minutos seu banho, a economia de água seria equivalente ao volume de 10 Masp (Museu de Arte de São Paulo, aquele famoso em cartões-postais) em um dia. Em um mês, a economia de 3000 Masp de água faz diferença.

4. Acabe com os vazamentos em casa
Canos furados, infiltrações no teto que vêm do apartamento de cima e caixas d'água que vazam são desperdício de água potável e dinheiro. Um buraquinho de 2 mm em um cano desperdiça 96 mil litros em um mês, quase dez caminhões pipa de água limpa e tratada. Em um dia, a quantidade jogada fora daria para encher uma máquina de lavar.

5. Não custa dizer de novo: feche a torneira
Fechar a torneira na hora de escovar os dentes, apesar de manjada, também é uma dica essencial nesse momento de crise. E não adianta só fechar, é preciso fechar bem. Uma gota que pinga a cada dez segundos é capaz de encher uma máquina de lavar no dia. Para diminuir ainda mais o uso, Dalberto recomenda o aerador, uma peça colocada na ponta da torneira que espalha a água e dá maior sensação de fluxo. "Dá para economizar quase metade da água, dependendo do modelo", afirma Dalberto.

6. Reutilize a água da máquina de lavar e da cozinha
Reutilizar é tão importante quanto economizar. Lembra da sua vizinha? Essa é a hora de promover uma troca de água e pensar duas vezes antes de jogá-la pelo ralo. A água da máquina de lavar, por exemplo, pode ser estocada em baldes fechados e utilizada para regar plantas e lavar calçadas. Na cozinha, também é possível reutilizar. A água usada no cozimento do macarrão pode ser aproveitada para engrossar o caldo de sopas, por exemplo. "É uma redução pequena, de 3 litros de água, mas num momento de crise, todo recurso é importante", diz Dalberto.

7. Molhar as plantas só pela manhã ou à noite
Esta é a forma mais econômica de regar suas plantas. No verão, regar bem pela manhã ou à noite ajuda a reduzir a perda por evaporação, ou seja, a planta vai absorver de modo mais lento a água, evitando que você tenha que regá-la novamente. No inverno, as plantas podem ser regadas dia sim, dia não. Se o uso da mangueira for realmente necessário em gramados muito grandes, escolha o modelo "esguicho-revólver". Em dez minutos, ele usa cerca de 96 litros de água, contra os 186 litros das mangueiras convencionais. A economia é de 90 litros: quase dois banhos de 5 minutos.

8. Cubra sua piscina
Se você tem piscina em casa ou no condomínio e não utiliza com frequência, o ideal nesse momento é deixá-la coberta. Assim, a perda por evaporação diminui em até 90%. Em uma piscina de tamanho médio, isso representa economia mensal de mais de 3.800 litros.

9. Não jogue lixo na rua, isso também desperdiça
Seguir essas dicas emergenciais até pode ajudar na crise de hoje, mas e se ano que vem não chover de novo? É preciso pensar também a longo prazo. Sabia que os medicamentos vencidos que você joga pela privada e o papel de bala que você atira pela janela tem tudo a ver com o desperdício de água? O lixo que não é descartado no lugar certo acaba indo para os cursos d'água da cidade e, quanto mais suja estiver a água, mais difícil e caro fica para limpá-la e usá-la novamente.

10. Comprar papel (e tudo mais) gasta água
De novo, não adianta pensar só no hoje, principalmente quando o assunto é água. Até porque tudo a nossa volta - alimentos, roupas, eletrodomésticos - precisa de água para ser produzido. Para que um 1 kg de carne chegue à sua mesa, são gastos 15 mil litros no processo de produção e distribuição. 'Existe o que a gente chama de água virtual, uma simples folha de papel gasta 10 mil litros', afirma Dalberto. Evitar o desperdício é algo a se fazer em todos os momentos.


Fontes: Planeta Sustentável; Organização das Nações Unidas; Instituto Akatu pelo Consumo Consciente; Sabesp, Mdemulher