Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

6 livros para quem gosta de suspense

O suspense pode ser definido de muitas maneiras. Algumas pessoas dizem que é o que causa aquele sentimento de ansiedade e incerteza e, outras, que é o que nos faz fechar os olhos em um filme para não levarmos um susto. Mas, em uma tentativa mais ampla, pode ser entendido por àquela emoção que aparece quando estamos preocupados com a falta de conhecimento sobre alguma situação - que na maioria das vezes nos surpreende.

O fato é que, independente de ser em filmes, peças ou livros, o gênero é um dos que mais prendem nossa atenção. Por isso, listamos seis livros em que a tensão não vai te deixar largá-lo sem que chegue ao final. Confira:

1- GAROTA EXEMPLAR
Gillian Flynn é uma das escritoras mais aclamadas da atualidade. Em Garota Exemplar ela nos apresenta um relato misterioso de um casamento em crise, onde a esposa desaparece e o marido passa ser o principal suspeito.

A escritora cria um universo mágico, em que o leitor se envolve e não consegue descobrir quem é o vilão ou o mocinho da história. Tudo que parece ser em um capítulo, no próximo se transforma e deixa de ser - o que é essencial para quem gosta dessa temática.

O livro começa no dia do quinto aniversário de casamento de Nick e Amy Dunne, quando a linda e inteligente esposa de Nick desaparece da casa deles às margens do rio Mississippi. Sinais indicam que se trata de um sequestro violento e Nick rapidamente se torna o principal suspeito. Sob pressão da polícia, da mídia e dos ferozmente amorosos pais de Amy, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamento inapropriado. Ele é evasivo e amargo - mas seria um assassino? Ao mesmo tempo, passagens do diário de Amy revelam um casamento tumultuado - mas ela estaria contando toda a história? Alternando entre os pontos de vista de Nick e Amy, Flynn cria uma aura de dúvidas em que o cenário muda a cada capítulo. À medida que as revelações surgem, fica claro que, se existe alguma verdade nos discursos de Nick e Amy, ela é mais sombria, distorcida e assustadora do que podemos imaginar.

2- A CABANA
 Por incrível que pareça, o livro do canadense William P. Young não foi escrito para ser publicado. Ele era um presente que o autor havia feito para apenas alguns amigos, pois muito do que ele escreveu tem a ver com sua própria história e o fato de colocar no papel foi como um consolo para ele mesmo.

Em A Cabana, A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Porém, nunca foi encontrada.

Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquele lugar e passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta ao cenário de seu pior pesadelo. Ali, Mack terá um encontro inusitado com Deus, de quem tentará obter resposta para a inevitável pergunta: "Se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar nosso sofrimento?".

O que encontra lá pode mudar sua vida para sempre.

3-  A SOMBRA DO VENTO
A Sombra do Vento é um livro eletrizante, sedutor, comovente e impossível de largar antes de terminar. Além de ser uma grandiosa homenagem ao poder místico dos livros, é um verdadeiro triunfo da arte de contar histórias.

Tudo começa em Barcelona, em 1945, ano em que Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível: em uma madrugada fantasmagórica, levando-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos.

O local, conhecido de poucos barceloneses, é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de 'A Sombra do Vento', do também barcelonês Julián Carax. O livro desperta no jovem um enorme fascínio por aquele autor desconhecido e sua obra, que ele descobre ser vasta.

Obcecado, começa então uma busca pelos outros livros e, para sua surpresa, descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu. Na verdade, o exemplar que Daniel tem em mãos pode ser o último existente. E ele logo irá entender que, se não descobrir a verdade sobre Julián Carax, ele e aqueles que ama poderão ter um destino terrível.

4- CRIME E CASTIGO
A obra do russo Dostoiévski fala sobre um ex estudante de direito, chamado Raskólnikov, extremamente pobre que vive na angústia de fazer algo importante na vida. Ele, então, divide os indivíduos em ordinários e extraordinários, na tentativa de explicar a quebra das regras em prol do avanço humano.

Seguindo esse pensamento, o personagem principal planeja e concretiza, em meio a uma luta com sua consciência, a morte de uma agiota. Antes de fugir da cena do crime, comete também o assassinato de Lizavieta, irmã da velha agiota, pois ela havia aparecido no local sem que ele esperasse.
Raskólnikov rouba algumas joias, mas não chega a usufruir desse ganho e, sentindo-se arrependido, enterra-as sob uma pedra. Após tal fato e seus desfechos, o livro relata de maneira detalhista os dramas psicológicos sofridos pelo autor dos homicídios.

Ele tenta justificar seus atos pela teoria de que grandes homens, como César ou Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História, mas ao longo das páginas vai percebendo que, talvez, não faça parte do grupo dos extraordinários - os indivíduos nos quais ele considerava capazes de cometer quaisquer crimes, ou infringir regras sem culpa alguma.

5- BARBA ENSOPADA DE SANGUE
O autor do livro Barba Ensopada de Sangue, Daniel Galera, é um nome relativamente novo na literatura brasileira contemporânea, mas já vem sendo apontado como um dos melhores autores brasileiros da nova geração.

O livro conta a história de um professor de educação física, que, ao visitar seu pai, descobre as aventuras que o avô, Gaudério, participou em Garopaba, um balneário de Santa Catarina. Lá, ele conquistou o coração de algumas donzelas e temor de quase toda a população, mas foi misteriosamente assassinado enquanto vivia na cidade.

Após contar ao filho essas e outras histórias, o pai revela que irá se matar e faz um último pedido. Que a querida cadela Beta seja sacrificada assim que ele morrer. Estranhamente, o protagonista prefere não interferir, e deixa o pai levar adiante o seu plano. Porém, uma coisa o incomoda. Ele precisa saber o que aconteceu com o avô, que nunca conheceu. 

6- A SANGUE FRIO
O americano Truman Capote foi um jornalista e escritor muito importante. Ele escreveu contos, romances, peças e clássicos como, por exemplo, a novela Bonequinha de Luxo. Mas foi o livro A Sangue Frio que lhe deu mais notoriedade e que faz com que seja ainda mais lembrado nos dias de hoje.

Nele, ele conta a história da morte de toda a família Clutter, no Kansas, e também sobre a vida dos autores da chacina. Capote decidiu escrever sobre o assunto ao ler no jornal a notícia do assassinato. 
Além de narrar o extermínio do fazendeiro Herbert Clutter, de sua esposa Bonnie e dos filhos Nancy e Kenyon - uma típica família americana dos anos 50, pacata e integrada à comunidade - o livro reconstitui a trajetória dos assassinos.

Perry Smith e Dick Hikcock planejaram o crime acreditando que se apropriariam de uma fortuna, mas não encontraram praticamente nada. Perry era um sonhador. Teve criação conturbada e violenta, e achava que a vida lhe tinha dado golpes injustos. Dick, considerado o cérebro da dupla, queria apenas arrebatar o dinheiro e desaparecer.

Presos e condenados, ambos morreram na forca em 1965. Publicado no mesmo ano da execução dos assassinos, A Sangue Frio rapidamente se tornou um sucesso de crítica e vendas, rendendo alguns milhões de dólares ao autor.

Além de passar mais de um ano na região de Holcomb, investigando e conversando com moradores, ele se aproximou dos criminosos e conquistou sua confiança. Traçou um perfil humano e eloqüente dos dois meninos, como costumava chamá-los.
Trata-se de um livro que combina a precisão factual com a força emotiva da criação artística, o que fez dele um marco na história do jornalismo e da literatura americana. 

Fonte: Guiadasemana por Nathália Tourais redatora