Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

As principais controvérsias da história dos games

Dizem que a arte imita a vida. As histórias retratadas nos diversos segmentos de mídia, de literatura a vídeo games, passando por filmes e teatro, refletem nossa percepção de mundo com o toque especial da imaginação. E como todos sabemos, a vida não é feita apenas de alegrias. Por isso, quando alguém expõe os aspectos mais sombrios e degradantes que a mente humana pode criar, a controvérsia surge e faíscas começam a pular para todo lado.

Na indústria dos videogames, isto é ainda mais verdadeiro. Levando em consideração que é uma forma de entretenimento interativa – o jogador toma parte na história – e sua tradição como algo voltado ao público jovem, quando assuntos delicados são abordados determinados setores da sociedade logo se pronunciam.

Sejamos mais diretos: quando o tema de um game envolve tópicos politicamente incorretos como crimes, violência, drogas, sexualidade ou religião, vários lados se confrontam para determinar o que é aceitável e o que não é.  Especialmente quando o título posiciona o jogador do lado “malvado” da história.

Pensando nisso, elaboramos  uma lista composta de oito dos jogos mais polêmicos já lançados.
Jogos não matam pessoas
Pessoas matam pessoas

Antes de passar à lista, no entanto, cabe aqui uma explicação sobre nosso posicionamento a respeito do assunto. Acreditamos que, como toda forma de mídia, os videogames por si só não induzem as pessoas a nada. Somos expostos a todo tipo de situações degradantes diariamente e faz parte do crescimento individual aprender a lidar com isso. Obviamente, limitações etárias devem ser estabelecidas para evitar o exagero, e os órgãos de avaliação dos jogos estão aí para garantir que isso aconteça. A partir desse ponto, cabe aos pais monitorarem seus filhos e educá-los de forma apropriada para compreenderem adequadamente o conteúdo que absorvem.

Além disso, gostaríamos de acreditar que todos os vendedores de jogos obedecem às normas de classificação de idade, não disponibilizando determinados títulos àqueles que não possuem maturidade para encará-los. Obviamente que sempre haverá dissidência, mas nós como sociedade devemos lutar para que as normas sejam obedecidas. Agora, sem mais delongas, seguem os oito videogames mais controversos da história!

Cenas de sexo em Mass Effect
Lançado em 2008, o jogo Mass Effect causou grande polêmica na época do lançamento por causa das cenas de sexo. Segundo o público conversador, essas imagens poderiam trazer aos jogadores desejos de perversão e até mesmo fazer com que eles praticassem atos obscenos.
Foto: Reprodução

Mortal Kombat
Outro jogo que chegou ao congresso norte-americano por causa das polêmicas foi Mortal Kombat, principalmente pela violência considerada explícita do game. O jogo quase se tornou proibido no território americano, mas Ed Boon, o criados de Mortal Kombat, conseguiu reverter a decisão após meses de esforços jurídicos.
Foto: Reprodução/Facebook

Manhunt 2
O jogo Manhunt 2 atingiu um nível de violência tão alto que foi banido em diversos países e nos Estados Unidos fez com que os políticos tivessem que criar uma censura mais alta que a para 18 anos: a Adults Only. Além de Manhut 2, o único jogo que possui esse nível de censura é Hatred.
Foto: Reprodução

Austrália
O país da Oceania é um dos mais rígidos na hora de aprovar games para serem vendidos no mercado local. Vários games conhecidos no Ocidente, como Left for Dead 4 e The Witcher 2, foram simplesmente banidos para os jogadores australianos, já que eles são considerados muito violentos ou pornográficos.
Foto: Reprodução/Wikimedia

Call of Duty: Modern Warfare 2
Sendo um dos jogos mais esperados de 2009, Call of Duty: Modern Warfare 2 conseguiu chamar a atenção de muitos jogadores de maneira negativa. Uma das missões consistia de supostos terroristas americanos realizando um massacre em um aeroporto russo, matando dezenas de inocentes. De acordo com o roteiro do jogo, esse evento seria responsável pelo início da Terceira Guerra Mundial, mas a mídia não aceitou o argumento e chamou todos os desenvolvedores do game de verdadeiros terroristas.
Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

Franquia GTA
Nesse game não é possível nem mesmo citar apenas uma controvérsia, já que todos os títulos foram atacados por grupos conservadores e até mesmo religiosos. O último jogo da franquia, GTA V, possui cenas explícitas de violência e tortura, e por isso recebe a censura mais alta em todos os países em que é comercializado. Além disso, muitos afirmam que o game incentiva as pessoas a desrespeitarem as autoridades.
Foto: Divulgação

Night Trap
Night Trap foi um jogo lançado em 1998 que causou tanto rebuliço que chegou até o parlamento norte-americano. O game, que era FMV (full-motion-video), tem como premissa um grupo de adolescentes que decide passar a noite juntas e precisam se proteger contra monstros que querem mata-las. Apesar de ser uma situação relativamente “boba”, o jogo foi muito polêmico e o congresso dos Estados Unidos chegou a discutir se o game não encorajava  ataques a mulheres inocentes
Foto: Reprodução/Hardcore Gaming

Pokémon
Durante no início da década de 2000, o jogo japonês Pokemón era uma febre entre jogadores do mundo todo. E claro que nem todos gostavam dessa fama: especialistas, psicólogos e associações inventaram diversas características negativas para o jogo, desde que ele apelava para a magia negra, até que ele incentivava o mau trato de animais
Foto: Reprodução/Pokémon