Rondonópolis/MT,

A Fase do Porquê



Por que ele pergunta tanto? Por que quer saber tudo? Por que não se contenta com as minhas explicações? Essas são perguntas freqüentes de quem convive com crianças entre 3-4 anos. Um período de curiosidade e indagação  que representa  um marco no desenvolvimento da inteligência.

Sob certos aspectos, a fase em que a criança completa 3 anos é de relativa calma para os pais, ela não precisa de supervisão o tempo todo, retirou as fraldas  e é independente em diferentes tarefas. Porém se torna questionadora e pergunta e usa muito por quê?. Esse é um momento que assusta muitos pais, que ficam sem saber até onde devem responder as perguntas dos filhos.
Isso ocorre devido à construção da própria identidade, que acontece na infância, quando a criança passa a se descobrir, a ter noção do próprio Eu, da importância de sua existência, das coisas que consegue fazer, que vê ou que ouve.
A partir dessa descoberta, passa a perceber os fatos ao seu redor dando maior ênfase a como tudo acontece, ou seja, os porquês referentes a esses. Muitas vezes as crianças nos questionam repetidamente e emendam um porquê atrás do outro.
É importante que as pessoas em contato direto com a mesma devem ter paciência e respeito quanto às curiosidades do pequeno, ajudando-o a esclarecer suas dúvidas.
Essa curiosidade, a busca da compreensão do mundo é que a levará a fazer novas descobertas, aguçando sua percepção para o aprender.
Se a criança é tolhida pelo adulto, no momento em que faz perguntas, poderá perder o interesse, a vontade de descobrir coisas novas, ficando paralisada no seu processo de aprendizagem por medo ou insegurança.
Uma boa forma de amenizar as perguntas é devolvê-las para que a própria criança tente explicar, ou utilizá-las em momentos que esta não queira obedecer. Quando diz que não quer comer a mãe poderá perguntar-lhe o porquê, se não quer tomar banho poderá também utilizar uma pergunta e, assim, mostrar que nem tudo pode acontecer da forma como ela deseja.
E à medida que for compreendendo o mundo que a cerca deixará de questionar sobre as coisas do cotidiano.