Encontre no EC

Rondonópolis/MT,

Endometriose: respostas para dúvidas mais frequentes

Doença que atinge mais de 170 milhões de mulheres em todo o mundo e leva mais de sete mulheres para a cirurgia por dia no Brasil, segundo dados da pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) junto com a Bayer e levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a endometriose pode ser grave e nem sempre facilmente detectada, fator que contribui para que outros órgãos sejam afetados o que, consequentemente, prejudica o tratamento.

diagnóstico da endometriose vem através de exames solicitados pelos ginecologistas e proctologistas. Conheça, através das respostas do Drº Maurício Abrão, especialista em ginecologia e presidente do Congresso Mundial de Endometriose, quais são as perguntas mais frequentes que as mulheres levam ao consultório durante a investigação da endometriose.

Endometriose não tem cura, mas é administrável (Crédito: Thinkstock)

O que é a endometriose?

A endometriose é uma doença gerada quando o tecido que reveste o útero – o endométrio – se alastra para fora do órgão e passa a implantar a superfície que reveste os outros órgãos da cavidade abdominal.

Quais são as causas da endometriose?

Além da possibilidade da mulher com menstruação retrógrada – caso em que o sangue, ao invés de ser eliminado do útero e sair pela vagina vaza pelas tubas uterinas e se espalha, junto com o endométrio, pela cavidade pélvica – fatores como a imunidade, a produção hormonal, os hábitos de vida, o estresse e, principalmente, a genética estão relacionados às causas da endometriose.

Quais são os sintomas da endometriose?

Cólicas menstruais muito fortes ou que impossibilitam a prática de atividades rotineiras, dor durante o ato sexual, dor para urinar e evacuar ou diarreias durante o período menstrual, sangue nas fezes e infertilidade estão entre os sintomas da endometriose.

Endometriose gera infertilidade? Por quê?

endometriose pode gerar infertilidade por cinco motivos:

Endometriose pode causar infertilidade (Crédito: Thinkstock)

A endometriose gera inflamações e aderência de tecidos. Com os tecidos grudados, o óvulo fecundado encontra dificuldades para se locomover e se implantar no útero;

  • As alterações hormonais que podem gerar a endometriose podem também dificultar a ovulação;
  • A endometriose deixa a mobilidade das trompas diminuída e isso dificulta a movimentação do óvulo;
  • A endometriose dificulta o implante e a fixação do embrião na cavidade uterina;
  • Mulheres podem ter endometriose devido a alterações hormonais, que também são causas de mais abortamentos;
Como é o diagnóstico da endometriose?

Recentemente foi desenvolvido no Brasil um método de diagnóstico por imagem – tipo de ultrassom – que permite que o médico visualize os focos profundos de endometriose. Quando o resultado do exame apresenta sinais avançados ou a doença não regride com tratamentos clínicos, é possível fazer uma cirurgia minimamente invasiva. A videolaparoscopia é uma cirurgia feita com o auxílio de uma câmara ótica que entra na cavidade pélvica através de três furinhos feitos na barriga e, através das imagens, o especialista consegue visualizar a doença e retirar os pontos onde o endométrio inflamado está alojado.

Endometriose pode ser tratada com remédio?

O tratamento clínico ou com remédio geralmente é feito com progesterona ou com substâncias que inibem a produção do estrogênio, hormônio que alimenta a doença. Eles podem ser indicados para melhorar os sintomas antes ou depois da cirurgia da endometriose.

A doença pode atacar o intestino? O que acontece?

A doença pode atacar as paredes do ovário, da bexiga e até do intestino. Nestes casos, é preciso adotar tratamentos clínicos ou cirúrgicos específicos.

Endometriose tem cura?

A doença quando é bem tratada é administrável. Enquanto a mulher ovular existe o risco da doença voltar, porém, se ela for tratada e administrada, as chances são pequenas.

Existe prevenção para a endometriose?

Endometriose é doença da mulher moderna (Crédito: Thinkstock)

Prevenção primária não existe. O que contribui para um melhor quadro é o diagnóstico precoce. Praticar exercícios físicos, priorizar uma alimentação saudável e controlar o emocional diminuindo o nível de estresse são fatores que contribuem para uma melhor saúde de todo o organismo, que não funciona isoladamente.

Por que a endometriose é a doença da mulher moderna?

A endometriose é considerada a doença da mulher moderna porque, além da rotina do dia a dia, do estresse e das alterações hormonais que estão diretamente ligadas aos problemas de imunidade, com o advento da pílula anticoncepcional, a mulher passou a engravidar menos e, consequentemente a menstruar mais.