Rondonópolis/MT,

As melhores festas juninas do Brasil e do mundo

Poucas datas simbolizam tanto a cultura brasileira e suas origens como as festa juninas. Porém, nem todas se restringem às bandeirinhas, fogueiras, vinho quente e curau. Seja no Brasil ou em outros países, alguns festejos se superam quando a proposta é fugir do lugar comum.

A bem da verdade, as nossas festas juninas tem parentesco com as comemorações europeias do solstício de verão, o dia mais longo do ano, que ocorre no mês de junho no hemisfério norte. Somente na Idade Média, a festa foi incorporada ao cristianismo e passou a ser associada a santos e, consequentemente, passou a ser comemorada por aqui.

Seja como for, a tradição perdura e atrai milhões de pessoas anualmente mundo afora. Relacionamos cinco festas nacionais e cinco festas internacionais que, além de serem extremamente populares, reservam atrações inusitadas e curiosas em relação ao que estamos acostumados a ver.

Nacionais

Um dos grandes destaques da festa junina de Campina Grande, na Paraíba, o sítio é uma réplica fiel de uma vila de mais de um século atrás. Lá é possível ver três tipos de engenho de cana em funcionamento, uma casa de farinha, bodega, casas de taipa, roçados, currais, difusora, tipografia, igrejas, foto mochila e uma grande palhoça que abriga shows folclóricos e muito arrasta pé. A comilança acontece numa praça de alimentação montada dentro do espaço.

2) Arraial no meio do mato
O distrito de Santana do Riacho, na Serra do Curral, em Minas Gerais, possui pouco mais de 300 habitantes e está situado numa Área de Preservação Ambiental (APA). O arraial lá é super tradicional e tem como pano de fundo cachoeiras, trilhas, grutas e sítios arqueológicos por todos os lados. A festa é um momento raro para estar em sintonia com o meio ambiente e com os costumes do interior de Minas.

3) Festa no trem
Seguindo do Centro do Recife até Cabo de Santo Agostinho, o Trem do Forró é uma locomotiva toda decorada com motivos juninos, onde em cada vagão se apresenta um autêntico trio de forró. Chegando em Cabo, a culinária nordestina pode ser apreciada em seu cardápio mais diversificado, que vai da pamonha ao arrumadinho de feijão verde, buchada ou picado de bode, entre muitas outras iguarias.

4) No embalo do bumba meu boi
As festas juninas de São Luís, no Maranhão, tem um charme diferente. Ao invés de terem no forró a base para as comemorações, é o Bumba Meu Boi que anima o evento. Os visitantes podem conhecer danças como o lelê, caroço, dança das fitas e portuguesa, além, claro, das quadrilhas.

5)  Festa junina gaúcha
No Rio Grande do Sul, as festas juninas preservam os trajes típicos do estado, como a bombacha e o chapéu de feltro, no lugar do chapéu de palha e da roupa remendada. A comida é a galinha frita, assada ou com arroz, a batata-doce, o pinhão (preparado de várias maneiras), o amendoim, a pipoca, a canjica e os doces campeiros. A animação fica a cargo de danças tradicionais como o pezinho, o balaio e o maçanico.

Internacionais

6) Festa junina com queijo e vinho
Com muitas características pagãs ainda, a Fête de Saint-Jean é comemorada no dia 24 de junho na França. Ao invés de paçoca e canjica, queijo e vinho dominam. O mais impressionante é a enorme chavande.

7) A Festa junina pirata
As tradições juninas da Polônia estão associadas principalmente com as regiões da Pomerânia e da Casúbia, e a festa é comemorada dia 23 de junho, chamada localmente Noc Świętojańska(Noite de São João). A festa dura todo o dia, começando às 8h da manhã e varando a madrugada. De maneira análoga à festa brasileira, uma das características mais marcantes é o uso de fantasias, no entanto não de trajes camponeses como no Brasil, mas de vestimentas de piratas. Fogueiras são acesas para marcar a celebração.

8) A Festa junina mais longa do planeta
A Ivan Kupala (Sim, Ivan é João em russo) vai do dia 23 de junho ao dia 6 de julho e apesar de ser atualmente uma festa da Igreja Ortodoxa, suas características são pagãs por excelência: se celebra o fogo, a água, a fertilidade e deve se pensar em purificação.

9) Festa junina com bermuda e camiseta
Como em Portugal é muito quente nesta época do ano, as pessoas trajam figurinos típicos de verão. Para os portugueses, festa junina boa tem que ter arraiais com fogos de artifício, deliciosas sardinhas assadas, música pelas ruas convidando todos a saírem de suas casas e participarem da comemoração. Uma excentricidade da festa está nas declarações de amor que são transportadas em vasinhos de manjericão, no qual o pretendente presenteia a mulher admirada.

10)  Festa junina viking
Na Suécia, o evento tem início com um almoço e depois todos vão ajudar na construção de um Midsommarstång, um mastro feito de plantas, de mais ou menos três metros de altura, com duas argolas nas extremidades. Esse objeto simboliza a fertilidade desde os tempos dos vikings. Depois que o mastro é erguido, as pessoas cantam algumas músicas e dançam em torno dele, quem tiver “folkdräkter”, roupa típica do folclore sueco, essa é a hora de tirá-la do armário e usá-la na celebração. Segundo a tradição, as mulheres que estiverem solteiras e em busca de um amor, durante este dia, devem colher sete diferentes tipos de flores e colocar embaixo do travesseiro. Se tudo correr como os antigos deuses suecos diziam, elas irão sonhar com os seus futuros maridos.


Fonte: Hypeness por Paulo Moura