Rondonópolis/MT,

Microcarros feitos para gente grande

Carros pequenos são uma necessidade nestes nossos dias de tráfego intenso e problemas de estacionamento. E, apesar de serem pouco confortáveis em sua maioria, são “bonitinhos”, práticos e econômicos — alguns fazem até 40 km com um litro de combustível, o que algumas propagandas dizem ser “quase tão barato quanto andar a pé”.

Para quem não precisa se auto afirmar com um Hummer ou uma SUV, para quem vive em uma região urbanizada onde o estacionamento pode custar fortunas, um minicarro pode ser exatamente o que se precisa. Além do mais, eles têm alguma coisa que atrai um ar de “filhote que quer ser abraçado” ou coisa do tipo.

Este conversível é uma modificação do Fiat polonês

Um buffet de minicarros

Os mais estranhos podem ser os “Gaitans” da Espanha – Gaitan Auto-Tri Huevo 125cc 1953 na esquerda, e Gaitan Auto-Tri 125cc (também de 1953) na direita.

Estes Gaitans foram usados até como ambulância!

Os belgas também tinham seus minicarros, o Minerva “Frog” 150cc 1953 (esquerda) e o italiano Trottolina Castagna de 1953 à direita.

Alguns são simplesmente esquisitos, como este “cubo” verde de Luxemburgo, o MDI AirPod (2009), à esquerda da van MDI AirCar.

O estranho Paddle 360, dos anos 1960, de fabricação japonesa, está abaixo à esquerda. Na direita, vemos dois dos menores jipes, um deles o queniano Mobius One (2010) em uma rara imagem, e o “Jago Samuri” (1987), do Reino Unido.

Mais esquisitos: o MT Mototriciclo espanhol e o popular “Gryfia” polonês, de 1963.

O feio Larmar 249cc (1946) da Inglaterra, ao lado do 3Da Rocha Aruanda brasileiro, de 1964.

Alguns minicaminhões estranhos, o ISO Isocarro 400 (1960) e o Ercole, com três rodas, ambos da Itália, e embaixo à direita, o “Motalli City Carga”, visto em Portugal.

O Reva é um carro elétrico urbano, da Índia.

Você já deve ter visto um carro “Smart” por aí, mas duvido que você tenha visto um guincho “Smart”:

Saca só o colorido!

E que tal um “Smart” transformado em SUV no estilo Jeep? Trata-se do Crosstown Concept, apresentado no Show do Automóvel de Frankfurt 2005.

Este aqui foi visto nas ruas de Amsterdã, o “Canta”, de fabricação holandesa.

Da Itália tem este Pasquali, com três rodas e dois lugares.

O amarelo chama-se Pasquali Riscio e vem em duas versões, com um e dois lugares. São praticamente indiscerníveis de fora. A Pasquali é uma fábrica que produz tratores agrícolas e cortadores de grama; o Riscio é seu único veículo.

Estes aqui não foram identificados.




Além disso, tem minis muito menores.

A empresa japonesa Takeoka é fabricante do Milieu R. O da direita é a versão elétrica.

O “Ape” é outro carro com três rodas feito por uma companhia italiana, a Piaggio.

Primitivos carrinhos para quem vai fazer compras

Eles são pequenos, mas talvez isso já seja exagero…

O Norsjo Sopper sueco de 1972 era perfeito para idosos (e adolescentes) dirigirem por aí com as compras. Totalmente primitivos, sem painel, e com velocidade máxima de 60 km/h.

Veja este relato: “O Norsjö Shopper era bastante comum aqui na Suécia quando eu estava crescendo, e no fim dos anos oitenta. Com um motor de menos de 50cc e um único cavalo de força, ele foi classificado como ciclomotor e poderia ser dirigido por qualquer um com mais de 15 anos, sem precisar licença. Na época era usado principalmente por velhas senhoras morando no interior, exceto por alguns que foram usados no passatempo de tunar ciclomotores e acabaram se tornando armadilhas mortais sobre três rodas”.

O menor destes provavelmente é esta moto, feita pela Honda. Será que ela pode ser dobrada a ponto de caber na maleta do laptop?

Incrivelmente, o conceito já existia em 1951 na Rússia Soviética.

Os mais feios

Os mais feios provavelmente são os que vieram da Rússia Soviética, como o “Invalidka”, feito para pessoas com problemas de locomoção e idosos, fabricado pela Serpukhovski Moto Zavod.


Tem esta breve aparição em um filme russo.

E este aqui é o mais fácil de proteger contra roubo — quem é que iria querer roubá-lo?

O menor tanque – não é para ir à padaria

Um dos menores tanques, o Renault FT17 (1918), foi o primeiro que tinha uma torre com rotação completa. Foi usado pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial, modificado com uma arma de 75mm.

Outra miniatura, que foi muito usada no Vietnã, foi o Ford Mutt, na prática um jipe de 250 kg com um motor robusto e um lançador de foguetes em cima. Bem ao gosto de Indiana Jones.

Este aqui é soviético, e foi usado pelo Exército nos anos 1970:

Um projeto do século 21, o Smart Tank Concept conta com um conjunto completo de esteiras e esquemas de camuflagem para o exército alemão.

Quem gostou do assunto pode ver mais microcarros na página do Microcar Club e na Lista de microcarros por país de origem. Tem também o Minutia – MicroCars Club Magazine. [DarkRoastedBlend]



Foto de capa: microcarro Peel-50-03