Rondonópolis/MT,

A pele dos 20 aos 60 anos: 4ª parte 50 anos

Para manter uma pele bonita e saudável é preciso apostar em prevenção ao longo do tempo. Isso envolve limpeza, hidratação e proteção solar. Veja a rotina de beleza, tratamentos e como usar o protetor solar em todas as fases.

Mais ação aos 50
É possível, sim, exibir uma pele sem manchas hormonais, lisinha e viçosa nessa faixa etária. Mas isso vai exigir mais dedicação do que você tinha aos 30. Afinal, a barreira de proteção e a firmeza cutânea já não são mais as mesmas.

Rosto, colo e pescoço
Não é regra, mas o rosto da mulher com mais de 50 anos costuma apresentar manchas escuras, excesso de pele, ressecamento e perda de brilho e volume. Geralmente, o pescoço acompanha essas transformações com o surgimento de rugas horizontais e o acúmulo de gordura na papada. Segundo o dermatologista Omar Lupi da Rosa Santos, do Rio de Janeiro, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a explicação está no afinamento e na redução da barreira hidrolipídica da pele e no tempo de exposição ao sol, à poluição, ao cigarro e aos radicais livres. "Completa a lista de ‘vilões’ a queda natural na produção das fibras de sustentação", diz o médico. Diante desse quadro, é preciso lançar mão de produtos multifuncionais, como um sabonete rico em óleos vegetais, que confere hidratação; tônico em forma de água termal, que acalma a pele; e protetor solar com ativos antioxidantes. Três vezes por semana é indicado passar, à noite, ácido glicólico, kójico, retinoico ou salicílico para provocar uma descamação suave e estimular o colágeno. "Nos outros dias, apele para hidratantes potentes, como hyalufix ou óleo de argan. Eles vão ajudar a atenuar as linhas finas, fechar os poros e dar uma leve clareada nas manchas", afirma a dermatologista Fernanda Casagrande, de Farroupilha (RS). Com o avanço da idade, alguns tratamentos que antes eram prescritos uma vez ou outra agora devem ser feitos com regularidade. É o caso do peeling de cristal, indicado a cada três meses para eliminar células mortas, cujo acúmulo deixa o rosto opaco e dificulta a ação dos cosméticos. "O uso da toxina botulínica para alisar as rugas dinâmicas, aquelas formadas pela movimentação dos músculos, passa a ser semestral, e o preenchimento com ácido hialurônico no sulco nasogeniano, mais conhecido como bigode chinês, uma vez por ano", explica Fernanda.

Apague as manchas hormonais
Os melasmas têm dois inconvenientes: são difíceis de clarear e podem voltar rapidamente. Mas dá para se livrar deles combinando técnicas que atacam em várias frentes.

Cosmético clareador 
A estrela aqui é a hidroquinona a 4% (acima dessa concentração, ela irrita a pele e, abaixo, não funciona). "O produto também é indicado para bloquear a produção de melanina em mulheres de 30 e 40 anos. A diferença é que nas de 50 ele é apenas parte do tratamento", esclarece a dermatologista Fernanda Casagrande. Ela lembra que a substância só pode ser usada por até seis meses para não haver o risco de ela matar os melanócitos, que são os produtores da melanina, e provocar manchas brancas irreversíveis.

Número de aplicações - Duas vezes por dia por, no máximo, seis meses.

Peeling 
O mais indicado é o cosmelan, que associa ácidos que promovem a renovação celular, caso do retinoico e do salicílico, e ativos despigmentantes, como o kójico e o fítico. "Os dois primeiros descamam a pele, facilitando a penetração dos outros dois, que destroem o pigmento escuro", explica a médica.

Número de sessões - Cinco, sendo uma a cada 15 dias.

Laser de erbium fracionado 
É outro tratamento conhecido das mais jovens, só que nesse caso ele vem cerca de 30% mais potente e com maior número de aplicações (são cinco contra três, em média). Funciona assim: o aparelho dispara feixes de luz da espessura de um fio de cabelo que, ao penetrar profundamente no tecido, criam uma coluna de coagulação que vai expulsando o pigmento aos poucos.

Número de sessões - Cinco, sendo uma por mês.

Alimentos da juventude
Use e abuse de ingredientes com dupla função, ou seja, que estimulam a produção de colágeno e combatem os radicais livres.

Laranja 
Você ganha pela presença da vitamina C, do betacaroteno e do ácido fólico: o primeiro tem ação antioxidante e participa do processo de formação do colágeno; o segundo fortalece a pele contra a radiação ultravioleta; e o terceiro protege e repara o DNA e melhora a renovação celular, o que contribui para suavizar as rugas. "Para garantir todos esses benefícios, coma a fruta logo após descascá-la, pois a vitamina C é sensível ao calor, à luz e ao oxigênio", avisa a nutróloga Cristiane Ognibene, de São Paulo.

Quanto consumir - 2 unidades por dia.

Arroz integral 
O silício é o grande atrativo desse alimento para as mulheres que já ultrapassaram a marca dos 50 anos. "Afinal, ele atua na produção das fibras de sustentação e de elastina e favorece a nutrição celular", garante Cristiane. Vale lembrar que a versão integral do arroz ainda traz magnésio, mineral cuja carência pode acelerar o envelhecimento dos fibroblastos, que são as células produtoras do colágeno e da elastina.

Quanto consumir - 3 colheres (sopa) por dia.

Amêndoa 
O petisco garante boas doses de manganês e cobre, dois minerais essenciais para a produção da enzima superoxidodismutase, que tem a capacidade de desarmar os radicais livres dentro das células. "Com isso, as mitocôndrias conseguem produzir mais energia, o que agiliza o processo de reparação celular", diz a nutróloga Tamara Mazaracki. Além disso, a amêndoa é fonte de vitamina B2, que favorece a oxigenação e auxilia outra enzima, a glutationa, a proteger a pele.

Quanto consumir - 2 unidades por dia.

Iogurte 
Não são apenas os ossos e os dentes que se dão bem com o alimento. A pele também se beneficia, pois o iogurte é fonte de zinco e vitaminas A e do complexo B, que melhoram a qualidade do tecido cutâneo, fortalecem as unhas e diminuem a queda capilar.

Quanto consumir - De 1 a 2 potes por dia.

Acerte no protetor solar
O produto não pode simplesmente barrar os raios ultravioleta: é preciso ainda combater o ressecamento da pele e ter ação anti-idade. O FPS também tem que aumentar: 30 na cidade e acima de 60 no litoral ou na piscina. Outro cuidado é o de espalhar o equivalente a dois feijões do filtro no rosto. "Essas precauções são necessárias por causa da maior tendência à flacidez cutânea e porque os melasmas pigmentam com muita facilidade; às vezes, somente com o calor da radiação infravermelha", justifica Fernanda Casagrande. Ela lembra que esse tipo de mancha pode aparecer por três fatores: genético, hormonal ou devido à exposição solar. "O protetor praticamente anula um desses fatores. Com isso, o aparecimento das manchas é muito menor", completa. Para reforçar a proteção, a dermatologista Doris Hexsel, de Porto Alegre, ensina a usar base ou pó com FPS 15, pelo menos, e retocá-los a cada quatro horas. "Eles são tudo de bom, pois têm textura agradável, aderem bem à pele, oferecem boa cobertura e são fáceis de aplicar", diz a médica.

Veja também:  A pele dos 20 aos 60 anos: 1ª parte 20 anos, 2ª parte 30 anos, 3ª parte 40 anos5ª parte 60 anos


Fonte: M de mulher